Tecnologia

Ironhack quer transformar trabalhadores portugueses em programadores

Imagem do espaço da Ironhack em Lisboa.
Imagem do espaço da Ironhack em Lisboa.

Escola de programação aposta em programas de conversão junto de grandes empresas e está prestes a fechar duas parcerias em território nacional.

Transformar os trabalhadores das grandes empresas em Portugal em programadores é a próxima grande aposta da Ironhack. A escola de código criada em Espanha está prestes a fechar os primeiros dois acordos com companhias presentes em Portugal para iniciar os bootcamps virados para os funcionários das empresas. A Ironhack pretende ainda apostar em programas para desempregados.

“Estamos em conversações com grandes multinacionais que têm um escritório em Portugal para iniciar os bootcamps para empresas”, anuncia Gonzalo Manrique, co-fundador da escola de código espanhola, em entrevista ao Dinheiro Vivo.

A Ironhack tem programas de reskilling e de upskilling para os trabalhadores das grandes empresas, detalha o espanhol.

O reskilling “é para grandes empresas que estão a enfrentar a transformação digital e que precisam de programadores, web designers, analistas de dados e que comecem a despedir os restantes funcionários, como está a acontecer na banca, seguradoras e no retalho. Podemos encontrar os melhores perfis para reconfigurar este talento, porque as empresas precisam de perceber mais de produto e de digital”.

Este programa está a ser negociado com uma “empresa francesa com mais de 1000 pessoas em Portugal e que pretende fazer um reskilling da equipa de operações, do departamento financeiro e dos analistas de negócio”. Na Alemanha, a Ironhack está a fazer a reconversão de 120 trabalhadores na sede da Media Markt, que vão passar a ser programadores”.

Leia mais: Programador€$: a rentável carreira do futuro

No upskilling, “os trabalhadores reforçam as suas competências digitais para ajudar as empresas tecnológicas”. Em Portugal, estará prestes a ser fechado uma parceria com “uma multinacional norte-americana com mais de 200 pessoas em Lisboa”. Em Espanha, por exemplo, a escola de código realizou um programa deste género com a Cabify e que ajudou a plataforma de transportes espanhola a contratar 100 pessoas para a equipa tecnológica.

Programação para desempregados

A Ironhack chegou a Portugal este ano com os cursos de código pagos para consumidores, com uma garantia de 90% de emprego em grandes empresas. Mas a escola espanhola também quer ajudar o país a dar mais competências às pessoas que atualmente estão à procura de trabalho.

“Também poderemos apostar em programas para desempregados em Portugal, nos próximos três ou quatro meses. Já iniciámos o processo de certificação junto do IEFP. Assim que estiver concluído, poderemos começar a fazer essas ações”, prevê Gonzalo Manrique.

Atualmente, a Ironhack tem cursos intensivos em áreas como programação, UX design e análise de dados que duram entre 9 e 24 semanas, conforme a opção por cursos a tempo inteiro ou a tempo parcial.

Estes bootcamps – assim se diz na linguagem tecnológica – decorrem atualmente nas Galerias de São Bento, em Lisboa. Mas em 2020 deverão passar a ser realizados noutro local – a Ironhack vai mudar de local na capital portuguesa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira (E), e a ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D). Fotografia: ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Governo deixa cair referencial geral para aumento de salários

Elisa Ferreira, António Costa. Fotografia: Álvaro Isidoro/Global Imagens

Elisa Ferreira. Minas de lítio têm de “compensar impacto ambiental”

Iberdrola

Iberdrola investe 200 milhões em projetos eólicos no Alto Tâmega

Ironhack quer transformar trabalhadores portugueses em programadores