Jogo virtual francês conquista Benfica, FC Porto e Sporting

Startup Sorare criou competição que mistura jogo de cartas e uma 'fantasy league' com tecnologia blockchain. Recebeu investimento de 4 milhões.

Há uma nova competição que está a atrair adeptos de futebol de todo o mundo e que já conta com o Benfica, FC Porto e Sporting. Nascida em março de 2019, a startup francesa Sorare fechou a sua primeira ronda de investimento, de 4 milhões de dólares (3,5 milhões de euros), segundo o anúncio feito esta quinta-feira.

A competição "é mistura entre um jogo de cartas e uma fantasy league", assim apresenta Nicolas Julia, um dos fundadores da startup baseada em Paris, em entrevista ao Dinheiro Vivo. A Sorare recorre à tecnologia blockchain para gerir todas as transações, que são feitas com base na criptomoeda Ethereum.

Cada participante tem de formar uma equipa com 5 cartas digitais, que representam jogadores de futebol de 76 equipas. Nesta fase, estão cobertos os principais campeonatos europeus e também das ligas dos Estados Unidos, México, Brasil e Argentina.

Depois disso, os jogadores da Sorare só têm de estar atentos ao comportamento dos futebolistas ao longo da semana nos campeonatos reais, e que podem tornar as cartas cada vez valiosas (medido através dos pontos de experiência).

Para os participantes trocarem cartas entre si, a empresa francesa criou um mercado online que permite aos utilizadores comprarem e venderem livremente colecionáveis digitais raros representando jogadores de futebol. Apesar de as trocas serem livres, não há cópias infinitas das cartas dos jogadores. Na época 2019/2020, por exemplo, só foram criadas 111 cópias do jogador João Félix.

Atração dos '3 Grandes'

Entre as 76 equipas já presentes na Sorare, incluem-se Benfica, FC Porto e Sporting. Atrair os chamados '3 Grandes' do futebol nacional foi possível graças a três ingredientes, explica Nicolas Julia.

"Em Portugal, encontrei clubes interessados em desenvolver novas fontes de receita, apostar em novos mercados (Estados Unidos e Ásia) e em proporcionar um novo jogo para os adeptos."

As equipas também ficam a ganhar por causa do seu modelo de licenciamento: "por cada carta vendida, os clubes recebem uma percentagem, que varia contrato a contrato". E mesmo antes de a primeira carta ter sido vendida, "foram pagos royalties".

Além dos principais campeonatos de futebol de Inglaterra, Espanha, Alemanha, França e Itália, a empresa também conta com equipas do Brasil, México, Estados Unidos, China, Rússia e Argentina.

Crescimento

Até ao final deste ano, a Sorare conta chegar aos 150 clubes e incluir mais algumas equipas da principal liga portuguesa de futebol.

Este cenário não estava no horizonte de Nicolas Julia e de Adrien Montfort, quando criaram a startup em março de 2019. Ao fim de um ano, já puseram a Sorare a dar lucros, graças à venda de mais de 1 milhão de dólares em cartas, para utilizadores de 50 países.

Atualmente com seis pessoas, a Sorare pretende recrutar mais 10 elementos até ao final deste ano.

Olhar para Portugal

Nicolas Julia é adepto do Marselha, que na última época foi treinado por André Villas-Boas. Tendo terminado na segunda posição, esta equipa conseguiu uma das melhores classificações dos últimos anos.

"Villas-Boas fez um trabalho fantástico. Ainda bem que vai ficar mais um ano, para jogarmos na Liga dos Campeões. A cidade e os adeptos estão muito contentes", elogia o fazedor francês.

Também por ter alguns amigos adeptos do Sporting, Nicolas Julia tem seguido o campeonato português. À conta disso, destaca que Portugal "tem uma grande geração de treinadores" e chama a a atenção para o avançado cabo-verdiano Jovane Cabral.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de