José Avillez: “Se há coisa em que sou megalómano é nos sonhos”

Chef já conta com duas estrelas Michelin no Belcanto
Chef já conta com duas estrelas Michelin no Belcanto

Alegria e surpresa. Foi assim que o chef José Avillez recebeu a notícia de que o seu <a href="http://belcanto.pt/PT/" target="_blank">Belcanto</a>, em Lisboa, foi considerado um dos 100 melhores restaurantes do mundo em 2015 pelos <a href="http://www.theworlds50best.com/list/51-100-winners" target="_blank">The World 50 Best Restaurants</a>.

Ao Dinheiro Vivo, o chefe português explica que recebeu “este importante prémio com muita surpresa a dois níveis: primeiro, porque o anúncio dos distinguidos só deveria ser feito dia 1 de junho e depois porque, de facto, não estava à espera de ganhar nesta importante votação”.

Ler também: Restaurante de José Avillez eleito um dos melhores do mundo em 2015

A equipa que lidera, “não só do Belcanto, mas também dos outros restaurantes – ao todo somos cerca de 170 pessoas – está muito feliz. Acima de tudo, porque é o reconhecimento de muito trabalho, de muitos sacrifícios e muita dedicação”, reforça o chef.

Questionado quanto à diferença entre os The World 50 Best Restaurants e as estrelas Michelin, a segunda conquistada no ano passado, José Avillez diz que esta distinção “além de ser mais imediata e mediática, acaba por ser complementar de dois universos que nunca se tocam.” Por exemplo, “há restaurantes com três estrelas Michelin que não estão neste ranking e restaurantes na lista dos 100 melhores que não têm qualquer estrela”, explica o chef.

O reconhecimento dos The World 50 Best Restaurants surge depois de três anos de grande loucura. E que o chefe José Avillez assegura ao Dinheiro Vivo ter abrandado. “Este é o ano para estabilizar, melhorar processos, olhar para o que está mal e melhorar. Não é o ano de fazer aberturas, apesar de continuarmos a crescer em termos de qualidade e de negócio”, diz.

“Se pensarmos que há milhares de restaurantes no mundo e o Belcanto conseguiu ser o 91.º neste ranking, então vemos que é muito importante e gratificante”, volta a frisar o chef como quem ainda não está em si de tanto entusiasmo.

Tão importante a ponto de arriscar e começar a abrir restaurantes fora de portas? “Para já, é um horizonte que não se põe. No entanto, se há coisa em que sou megalómano é nos sonhos”, remata José Avillez.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Vista aérea da Praça dos Restauradores em Lisboa, Portugal, 24 Março de 2020. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A economia entrou em estado de quarentena

Lisboa, 10/05/2019 - Vida do Dinheiro (DN-TSF) - Isabel Furtado, presidente da Cotec e da TMG.
Isabel Furtado
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Covid-19: “Medidas têm de ser estratégicas e não apenas imediatas e impulsivas”

Ursula  von der Leyen, presidente da Comissão Europeia. Fotografia: Kenzo Tribouillard/AFP

Comissão Europeia vai rever proposta de orçamento da UE

José Avillez: “Se há coisa em que sou megalómano é nos sonhos”