Mulheres

Josefinas, as sabrinas portuguesas que ajudam as mulheres no Ruanda

Por cada 10 pares de sabrinas Women for Women vendidos, a Josefinas ajuda uma mulher ruandesa.
Primeiro, foi o colo da avó Josefina que se transformou em sabrinas. Agora, são as sabrinas que se transformam em colo para mulheres ruandesas em risco."> Por cada 10 pares de sabrinas Women for Women vendidos, a Josefinas ajuda uma mulher ruandesa.

Primeiro, foi o colo da avó Josefina que se transformou em sabrinas. Agora, são as sabrinas que se transformam em colo para mulheres ruandesas em risco.

Em parceria com a Women for Women International (WFWI), organização global que transforma a vida de milhares de mulheres oriundas de países em guerra e conflito iminente e que se encontram em situação de risco, a Josefinas, marca portuguesa de sabrinas, decidiu lançar uma edição limitada que possa apoiar alguns dos casos. Por cada 10 pares da edição especial “Women for Women” vendidos, a marca portuguesa ajuda uma mulher.

Acredito num mundo com mulheres proativas, solidárias e que façam a diferença. Se assim não fosse, as Josefinas não existiriam. Sabemos que ninguém pode alcançar o sucesso sozinho, por isso, quisemos ajudar a fazer a diferença!”, explica Filipa Júlio, fundadora da marca.

Durante este ano, a parceria já ajudou quatro mulheres em situação de risco, dando os meios que garantam a transformação das suas vidas através da WFWI. Além de proteção, a WFWI garante-lhes os meios necessários para começarem um pequeno negócio ou aprenderem um novo ofício, de modo a se tornarem independentes. Pode acompanhar o movimento aqui.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Lisboa Fotografia: Rodrigo Cabrita / Global Imagens

Medidas do Banco de Portugal para travar riscos no imobiliário são “adequadas”

Lisboa Fotografia: Rodrigo Cabrita / Global Imagens

Medidas do Banco de Portugal para travar riscos no imobiliário são “adequadas”

António Mexia, CEO da EDP. (Fotografia: Sara Matos / Global Imagens)

EDP assina compromisso para limitar aquecimento global a 1,5°C

Outros conteúdos GMG
Josefinas, as sabrinas portuguesas que ajudam as mulheres no Ruanda