Associação

Jovens Empresários ajudaram ao nascimento de 850 PME

ANJE dedica três dias ao empreendedorismo no Porto

Ministro da Economia visita o evento multidisciplinar desenvolvido para o aniversário e que recria o percurso de um empreendedor

Rahhael Gordon é um antigo sem-abrigo das ruas de Newark, nos Estados Unidos, que se tornou um homem de negócios bem sucedido, criou uma ONG e é hoje um dos principais palestrantes mundiais sobre liderança e empreendedorismo. E que estará esta quinta-feira na sede da Associação Nacional dos Jovens Empresários para uma das três masterclasses sobre empreendedorismo que marcam os 30 anos da ANJE. Leo Bottary, especialista em liderança e que desenvolveu uma metodologia baseada na interação e na partilha de informação entre líderes de negócios, e Ryan Foland, que tem ajudado líderes de todo o mundo a simplificar as suas mensagens tornando-as mais claras e assertivas através da metodologia 3-1-3 (consiste em começar uma apresentação com três frases, condensá-la numa só e, por fim, reduzi-la a três palavras), são os outros gurus internacionais presentes.

As comemorações dos 30 anos da ANJE arrancam esta quinta-feira, na Casa do Farol, no Porto, com a presença do ministro da Economia. Manuel Caldeira Cabral terá oportunidade de visitar um evento multidisciplinar criado especificamente para este momento e que recria o percurso de um empreendedor, desde a infância à idade adulta.

Na prática, a sede da ANJE foi dividida em cinco estações, ou cinco etapas diferentes do percurso empreendedor. Na prática, um caminho que serve para contar a história do empreendedor que aos 10 anos toma contacto com a tecnologia de forma também lúdica (Play), depois aos 18 anos regressa do seu Gap Year para pensar no futuro profissional (Think), que aos 25 anos, finalizada a licenciatura, decide criar uma startup (Start), negócio que tem de ser escalado (Scale – estação que contará também com uma Mostra Tecnológica). Por fim, o projeto chega à fase de maturação (Enjoy), momento em que o importante é, sobretudo, criar, desenvolver e reter talento.

Destinada a 50 crianças, com idades compreendidas entre os 4 e os 14 anos, a iniciativa Play: Hack’n’Cash possibilita a descoberta e experimentação de tecnologias digitais orientadas para o empreendedorismo. Com a ajuda de um pequeno computador de baixo custo utilizado para ensinar a programar, o Raspberry Pi, as crianças vão receber as primeiras noções de empreendedorismo, dar os primeiros passos na programação, estimular a criatividade através de jogos digitais e aprender os princípios básicos da literacia financeira. De uma forma prática e divertida, e com o apoio de monitores, as crianças estarão a desenvolver o seu espírito empreendedor durante 16 horas de jogos, demonstrações e workshops.

Mas há, também, que dotar os jovens de competências que os preparem para o mundo do trabalho, com competências não apenas técnicas, mas transversais e estruturantes. As chamadas soft skills. Aqui surge a segunda estação do percurso, com a iniciativa Think: Gappers Bootcamp powered by Academia de Liderança, que procura reproduzir o espírito do gap year, o ano sabático que os jovens, sobretudo nos EUA e países do norte da Europa, reservam para viajar, fazer voluntariado ou adquirir conhecimentos extracurriculares antes de entrarem na universidade ou depois de concluírem o ensino superior. Aqui serão 12 os jovens que irão desenvolver competências que os “diferenciem no mercado de trabalho”, mas sobretudo que lhes permitam descobrir o seu percurso profissional ideal, recebendo formação e apoio de mentores, coachers e formadores da Academia de Liderança da ANJE.

Destinada a 50 crianças, com idades compreendidas entre os 4 e os 14 anos, a iniciativa Play: Hack’n’Cash possibilita a descoberta e experimentação de tecnologias digitais orientadas para o empreendedorismo.

Daqui nascerá o projeto Job Shadowing, promovido pela ANJE e pela AGYP – Associação Gap Year Portugal com o intuito de proporcionar a jovens portugueses três experiências profissionais em outras tantas empresas, após o término do ano sabático. Cada experiência de Job Shadowing terá a duração de uma semana, será acompanhada por um tutor e dará origem a um relatório. “Estas experiências vão ajudar a tomar opções de carreira de forma mais informada e ponderada”, acredita a ANJE.

O Gappers Bootcamp arranca com uma sessão em sala sobre liderança enquanto fator de desenvolvimento pessoal e organizacional, explica a ANJE, adiantando que a ação prossegue com um treino de competências de liderança, que inclui o planeamento e organização da missão, a comunicação de missão, o treino de tarefas e a sua execução. No final, é feita a análise da missão executada.

Para os que já têm uma ideia de negócio e pretendem consolidá-la, financiá-la e, sobretudo, convertê-la em produto e assegurar a sua entrada no mercado a ANJE tem a iniciativa Start: Fast Track ID (Investment Day) que consiste num programa de aceleração de dois dias, da responsabilidade da Shark Tank Blue Pipeline e B’TEN – Business Consultants. São dez os projetos empresariais selecionados para este programa, aos quais serão proporcionadas sessões de pitch, workshops gratuitos em áreas fulcrais para os empreendedores, mentoring e acesso ao Investment Day (simula uma apresentação a investidores).

Depois há que dar escala e sustentabilidade ao negócio. E aqui surge a quarta etapa, com a iniciativa Scale: Smart. Quick. Fast., na qual 16 startups partilham o mesmo espaço e, em conjunto, desenvolvem ações de networking, têm encontros com mentores, frequentam workshops de pitching, trocam experiências empresariais, buscam soluções para problemas comuns e discutem estratégias de expansão.

A orientar o programa do Scale: Smart. Quick. Fast. está Rene Bastijans, um especialista em tecnologias emergentes e inovações early-stage que é programme diretor na Beta-i. Ainda no âmbito desta iniciativa haverá o Fix Up Peer Group: Fazendo uso da metodologia peer, um grupo de pares constituído pelos CEO das startups e por mentores nacionais e internacionais, como Rahfeal Gordon, Ryan Foland, Leo Bottary, Rene Bastijans, Alfredo Coppola e Jim Schleckser, debaterá os problemas comuns na gestão diária dos negócios e procurará encontrar soluções.

A última etapa do percurso empreendedor é a iniciativa Enjoy: Startup Olympics powered by Codeplace. Trata-se de uma competição entre empresas com o intuito de reforçar o espírito de equipa. Estarão em competição startups já consolidadas e em fase de crescimento, como a Lapa, a Codeplace, a TOPDox, a Infraspeak ou a B Parts. Será uma espécie de ‘jogos sem fronteiras’, explica a ANJE. A lista de jogos é variada – provas de tiro com nerf guns, campo de minas, cheetos na cabeça, matraquilhos humanos e puxar a corda – e visa, além de servir para teambuilding, como forma de deteção, atração e retenção de talento.

“A ideia é, por um lado, envolver diferentes públicos (crianças, jovens e adultos) e, por outro, exercitar o empreendedorismo em diferentes atividades aparentemente lúdicas mas muito instrutivas para quem pretenda criar um negócio ou esteja já a gerir um”, explica o presidente da ANJE.

João Rafael Koehler lembra que a ANJE foi “pioneira” ao falar de empreendedorismo em Portugal e, por isso, o programa de comemorações dos 30 anos “procura abarcar as várias vertentes do ecossistema empreendedor da associação: mindset, formação, mentoria, inovação, aceleração e financiamento”.

Três décadas depois, o empreendedorismo é uma palavra que entrou já no léxico de todos. Mas a ANJE permanece, assegura, “como a maior incubadora nacional” a trabalhar em rede. São 13 os centros de incubação/aceleração da associação, de norte a sul do país. Ajudaram ao nascimento de mais de 850 pequenas e médias empresas em Portugal, responsáveis pela criação de quase 2.700 postos de trabalho.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Centeno ladeado pelos representantes dos dois maiores credores de Portugal: Pierre Moscovici (Comissão) e Klaus Regling (ESM). Fotografia: EPA/JULIEN WARNAND

Centeno usa verbas da almofada de segurança para pagar aos credores europeus

Paulo Fernandes lidera o grupo Cofina. (Carlos Manuel Martins/Global Imagens)

Foto: Arquivo

Cofina quer TVI sem remédios

Paulo Fernandes lidera o grupo Cofina. (Carlos Manuel Martins/Global Imagens)

Foto: Arquivo

Cofina quer TVI sem remédios

Outros conteúdos GMG
Jovens Empresários ajudaram ao nascimento de 850 PME