Fazedores

LoBoSka: Pranchas para surfar nas ruas a alta velocidade

João Faria criou a LoBoSka
João Faria criou a LoBoSka

João Faria começou a sua mais recente paixão numas férias em
Barcelona. A moda do longboard – variante do skateboard mais
direcionada à velocidade – nas ruas da cidade catalã fez que o
português que durante anos trabalhou em comunicação na Sonae
começasse a dedicar-se a uma atividade que lhe fazia lembrar os
tempos do liceu. Mal voltou a Portugal, comprou uma longboard e todo
o equipamento e juntou-se à comunidade de Lisboa, enquanto
trabalhava como freelancer em marketing digital.

Trabalhou no grupo Sonae mas quando se começava a falar mais de
crise em Portugal já se sentia “farto da área de media, de prazos
curtos e de clientes”. Chegou a acordo com a empresa e saiu. Não
parou. Começou, por conta própria, a especializar-se em marketing
digital e a criar conteúdos associados às marcas que trabalhava
online. Estava distraído com o trabalho quando deu de caras com o
que seria o seu negócio.

João, 50 anos, começou a praticar longboard mal chegou a
Portugal, mas havia falta de equipamento e viu-se obrigado a comprar
as pranchas e acessórios online, em sites estrangeiros, o que
encarecia os materiais. Então teve uma ideia: criar uma loja online
que respondesse às necessidades de um nicho. Começou a pensar no
assunto nos últimos meses de subsídio de desemprego e, em abril,
arrancou com o negócio. E na mesma data em que a LoBoSka (Longboard
Skate Shop) ficou disponível online, inaugurou também a primeira
loja da marca em Lisboa. “Todos os fornecedores me impunham uma
loja física e, é bem verdade, comprar vendo produto ao vivo é
muito diferente. E o aconselhamento também faz parte.”

Com um investimento de 20 mil euros, 95% do material vendido na
LoBoSka é técnico para longboards, desde as pranchas (entre 120 e
400 euros) aos acessórios. Baseada na atenção ao cliente, tanto na
loja como nas redes sociais, a LoBoSka quer crescer alargando a
prática da modalidade em Portugal. “Lançar um negócio em plena
crise tem os seus quês. É preciso mais do que vender: acompanhar,
tirar dúvidas e cativar novos clientes.” Por isso, o único espaço
e site nacional que vende para toda a Europa não é só uma loja. É
um local de encontro entre os que gostam de longboard, os que querem
aprender e os que acompanham a modalidade só porque sim. E João
ainda organiza workshops para cativar novos clientes, com a confiança
de que nada foi feito ao acaso. “Tive bastante tempo para pensar o
negócio. Tudo o que poderia ter feito, fiz.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
coronavirus lay-off trabalho emprego desemprego

Empresas com quebras de 25% vão poder pedir apoio à retoma

Balcão da ADSE na Praça de Londres em Lisboa.

( Jorge Amaral/Global Imagens )

ADSE quer 56 milhões do Orçamento do Estado por gastos com isentos

Fotografia: Miguel Pereira / Global Imagens

Quase 42 mil empresas recorreram a apoios que substituíram lay-off simplificado

LoBoSka: Pranchas para surfar nas ruas a alta velocidade