fazedores

Logical Safety. Minimizar riscos na indústria pesada

Equipa da Logical Safety. Foto: Direitos Reservados
Equipa da Logical Safety. Foto: Direitos Reservados

A startup desenvolveu software que prevê o risco em ambiente industrial. E já tem projeto-piloto no Canadá.

Henrique Mateus trabalhou mais de 20 anos nos cimentos e durante esse tempo percebeu que era preciso atacar um problema das indústrias pesadas: os riscos que podem provocar acidentes de trabalho. Há cerca de seis anos passou da teoria à prática. Lançou a Logical Safety, que criou uma solução que permite às empresas reduzirem o risco das equipas nos locais onde operam, e tem já um projeto-piloto com uma empresa canadiana.

“Criámos e desenvolvemos um software capaz de prever esse risco e que se adapta maioritariamente à indústria pesada. É uma área que, em geral, está mais adequada ao tipo de software que desenvolvemos e somos atualmente a única empresa a nível mundial capaz de prever risco com quase 100% de fiabilidade”, diz Henrique Mateus, fundador e CEO da Logical Safety.

Há no mercado outras firmas que têm estado a criar este tipo de soluções, mas o que distingue a portuguesa das demais é o facto de não utilizar cálculos matemáticos para aferir riscos. “Trabalhamos com dados que são recolhidos em tempo real nas empresas. Os dados vêm quase todos de sensores ou de bases de dados onde existe informação sobre trabalhadores, equipamentos de proteção individual, condições físicas ou ambientais. Basicamente, o que fazemos é um cruzamento de dados constante em que, quando alguém pretende fazer algum tipo de trabalho, verificamos todas as bases de dados e identificamos fontes de risco”, diz. Assim, se for identificado um possível risco, o funcionário não vai conseguir executar a tarefa enquanto o erro não for corrigido.

A tecnologia tem por base IoT (Internet das Coisas) e permite que os departamentos de segurança das companhias agreguem numa só plataforma perfil de trabalhadores, gestão de equipamentos e documental, inspeções de segurança e rotinas de trabalho, fornecendo informação em tempo real sobre a aptidão e competências de cada recurso numa determinada situação ou contexto de trabalho. E tem capacidade para integrar-se com qualquer sensor já existente no cliente.

“Verificamos tudo o que o trabalhador necessita, o que a empresa precisa para que o trabalho aconteça sem risco e caso haja falhas eliminamos a progressão do trabalhador, bloqueando-o e explicando o problema. Informamos em tempo real a pessoa encarregada de o corrigir e, até que as coisas estejam nos eixos, não há desenvolvimento, logo é eliminada a fonte de risco.”

A equipa da Logical Safety é composta por sete pessoas, além do apoio de parceiros no desenvolvimento de tecnologia. Recentemente, a startup recebeu fundos da Portugal Ventures (sociedade pública de capital de risco) no valor de 500 mil euros que vai ser canalizado para dotar a plataforma de novas funcionalidades e reforçar a equipa comercial. “Foi a única ronda de financiamento que tivemos. O objetivo inicial foi dar um arranque em termos de projeto de modo a conseguir projetar a empresa lá para fora, já que o nosso mercado é maioritariamente externo”, diz o CEO, que não descarta a possibilidade de obter mais financiamento junto de novos investidores.

Neste momento, Henrique tem um projeto-piloto a decorrer numa companhia canadiana de produção de materiais e está a fazer contactos com empresas portuguesas e multinacionais a atuar aqui para novos projetos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
mulher gravida

Não renovação de contratos com grávidas cresce 15%

mulher gravida

Não renovação de contratos com grávidas cresce 15%

Angel Gurria, secretário-geral da OCDE. Fotografia: EPA/Mario Guzmán

OCDE mais pessimista. Sinais vermelhos para a economia

Outros conteúdos GMG
Logical Safety. Minimizar riscos na indústria pesada