Turismo

Luggage Driver: A startup com soluções para o insustentável peso das malas

Daniel Oliveira, proprietário da Luggage Drive Fotografia: 
Leonel de Castro/ Global Imagens
Daniel Oliveira, proprietário da Luggage Drive Fotografia: Leonel de Castro/ Global Imagens

A empresa surgiu, em setembro do ano passado, no Porto, à boleia do 'boom' turístico. Agora, quer voar mais alto e já estuda expandir para Lisboa.

A Luggage Driver chegou ao mercado para literalmente tornar mais leves as viagens de lazer e de negócios. Daniel Oliveira é o mentor desta startup 100% portuguesa, que quer guardar e transportar as bagagens de turistas e viajantes no país. O jovem empreendedor arrancou com a atividade em setembro do ano passado e, pouco mais de meio ano volvido, tem já projetos de expansão em curso. O boom do turismo no Porto abriu janelas de oportunidades para a criação de novos negócios e Daniel Oliveira vislumbrou a conjuntura certa para se lançar na vida de empresário.

No centro da cidade portuense, tornou-se habitual ouvir as rodas das malas a percorrer os passeios. Turistas a chegar e a partir. E hotéis ou alojamentos locais com poucas ou nenhumas soluções de armazenamento de bagagens. Daniel Oliveira observou todo esse movimento, constatou a lacuna do mercado e deitou mãos à obra. A ideia de criar uma empresa de recolha, armazenamento, transporte e entrega de malas iria suprimir uma falha no setor, havia negócio para explorar. O jovem empreendedor fez estudos de mercado, descobriu que em Londres e Barcelona havia uns negócios semelhantes, mas em Portugal estava tudo por fazer.

Era tudo tão novo que foi obrigado a bater a várias portas de companhias de seguros até conseguir contratar uma apólice de âmbito ibérico, ajustada ao modelo de negócio que pretendia implementar. Para Daniel Oliveira, a segurança das bagagens era uma matéria essencial. Até porque já tinha reparado no processo de armazenamento de bagagens nos hotéis e não tinha ficado especialmente satisfeito. “Os hotéis não estão sensibilizados para os riscos associados ao armazenamento das bagagens dos turistas”, diz.

Viajar pelo país

A constituição do negócio teve os seus tempos. Em 2016, Daniel Oliveira começou a trabalhar a ideia e, em abril de 2017, constituiu a LOD – Logística on Demand, empresa de soluções de logística para o setor do turismo e que assegura, desde setembro do ano passado, o serviço Luggage Driver.

Daniel Oliveira criou um serviço flexível. A Luggage Driver pode ser uma parceira à porta do aeroporto do Porto, no hotel onde o cliente está ou vai estar hospedado, junto à estação de caminho-de-ferro de São Bento, mesmo no coração da Baixa do Porto, ou num ponto de recolha solicitado pelo cliente. Um serviço à medida. Por internet (a página eletrónica da Luggage Driver permite contratar o serviço), telefone ou dirigindo-se a um motorista credenciado da Luggage Driver e/ou a um hotel parceiro da empresa, a bagagem é guardada pelo prazo que o turista pretende e é-lhe entregue onde quiser.

Como recorda Daniel Oliveira, há turistas que querem fazer o eixo Porto-Lisboa, mas com pequenas escalas em Aveiro, Coimbra, Fátima… As bagagens são um fardo pesado. E é também para isso que nasceu a Luggage Driver. O turista contrata o serviço, deixa as bagagens no Porto ao cuidado da empresa e as malas são-lhe entregues onde e quando decidir. O viajante liberta-se de uma carga de trabalhos e, assegura Daniel Oliveira, a preços competitivos face a outras soluções.

Bens assegurados

Quem chega ao Porto pela estação ferroviária de São Bento encontra, junto a uma das portas de saída, um ponto de recolha da Luggage Driver. É um carro ligeiro de mercadorias, devidamente identificado, a cargo de um colaborador fardado, com chapéu de motorista, nas mãos um tablet e disponível uma máquina de pagamento portátil. Para Daniel Oliveira, a presença física da Luggage Driver obriga a cuidados. “Os colaboradores têm de transmitir confiança ao cliente e é importante ter uma forte imagem de marca”, sublinha. É feita uma nota de encomenda, as malas são seladas com fivelas de segurança numeradas e os bens assegurados até mil euros por bagagem.

No Aeroporto Francisco Sá Carneiro, o procedimento é semelhante. O ponto de recolha de bagagens e contratação do serviço fica no parque BUS. Nas proximidades do aeroporto está instalada a sede da empresa e um armazém de 130 metros quadrados para malas.

Na fase de arranque, a Luggage Driver exigiu um investimento da ordem dos 80 mil euros, absorvido em grande parte pela aquisição de três carros ligeiros de mercadorias.

Pelos caminhos de Santiago

Por estes dias, a Luggage Driver começa a prestar serviço aos peregrinos a caminho de Santiago de Compostela. Daniel Oliveira sublinha que será “a primeira empresa portuguesa a disponibilizar esta alternativa”, que pode ser de apoio etapa por etapa ou diretamente para Santiago. Neste roteiro, a Luggage Driver responsabiliza-se também pelo transporte de bicicletas. Como refere o jovem empreendedor, “as bagagens podem ser entregues no hotel onde o cliente irá ficar hospedado e as bicicletas podem ser recolhidas no hotel e transportadas até casa do cliente”.

Neste momento, o “maior problema é o cliente saber que nós existimos”, diz Daniel Oliveira. Para além da página na internet, a Luggage Driver tem folhetos informativos em mais de 30 hotéis da região do Porto, nos postos de turismo da Associação Turismo do Porto e prepara-se para divulgar a atividade em Santiago de Compostela.

Daniel Oliveira sonha mais alto e, em setembro, vai replicar o negócio em Lisboa. O procedimento será o mesmo do que no Porto: começar na época baixa, passo a passo, conhecer o mercado, contratar as pessoas certas para no pico do verão a operação estar em plena marcha.

Em ultimação está uma parceria com a CP – Comboios de Portugal para operar nas estações do Porto, Lisboa e Faro. Daniel Oliveira também aguarda que a ANA – Aeroportos de Portugal e o Metro do Porto lhe concedam um ponto fixo de recolha no aeroporto do Porto.

A Luggage Driver, que já emprega cinco pessoas, afirma-se como uma solução de logística de bagagens eficaz e competitiva. Daniel Oliveira garante que é só preciso somar: táxis, taxas de bagagem, cacifos, custos de malas no porão… Contas feitas, assegura, o serviço Luggage Driver sai mais barato e cómodo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Foto: Paulo Spranger (Global/Imagens)

Fisco deteta erro em 10.000 declarações de IRS e exige devolução de 3,5 milhões

Foto: Paulo Spranger (Global/Imagens)

Fisco deteta erro em 10.000 declarações de IRS e exige devolução de 3,5 milhões

João Cadete de Matos, presidente da Anacom

Fotografia: Vítor Gordo/D.R.

Anacom “considera essencial” redução de preços no acesso à Internet

Outros conteúdos GMG
Luggage Driver: A startup com soluções para o insustentável peso das malas