fazedores

Matereo. Inteligência para prevenir queda de pontes e viadutos

Jorge Vieira e Ricardo Carmona são dois dos três fundadores da Matereo. Foram fotografados no Parque Verde junto a Ponte Pedro e Inês sobre o Rio Mondego, em Coimbra. (Fernando Fontes / Global Imagens )
Jorge Vieira e Ricardo Carmona são dois dos três fundadores da Matereo. Foram fotografados no Parque Verde junto a Ponte Pedro e Inês sobre o Rio Mondego, em Coimbra. (Fernando Fontes / Global Imagens )

Startup de Coimbra conta com sensores e sistema que alerta gestores de infraestruturas para falhas.

A ideia é poder evitar tragédias como a queda da ponte de Entre-os-Rios ou o mais recente desabamento da Estrada Municipal 255, em Borba. A solução é apresentada pela Matereo, uma startup de Coimbra que passou os últimos quatro anos a desenvolver um sistema de monitorização com inteligência preditiva, que serve, sobretudo, para evitar problemas em pontes e viadutos.

A Matereo está atualmente a negociar contratos com os principais gestores de infraestruturas portugueses e espanhóis.

Os sensores estão instalados, por exemplo, nos pilares. “Assim que identificamos uma problema num pilar, começamos a emitir alertas a toda a equipa de manutenção de infraestruturas. E damos razões potenciais para essa situação. O sistema também avisa para potenciais consequências da não resolução dos problemas”, explicam Jorge Vieira e Ricardo Carmona, dois dos três fundadores da Matereo, que cruza a engenharia civil e mecânica com informática.

A informação recolhida pelos sensores também permite “simular cenários de catástrofe. Os clientes podem aceder aos dados em tempo real e receber relatórios periódicos do estado da infraestrutura para evitar problemas”. Com estes dados “não há como fugir ao histórico na evolução dos danos”. Esta situação permite “poupar na manutenção no longo prazo e evitar catástrofes”.

Além dos sensores, a Matereo pode recolher dados de pontes e viadutos através de um veículo subaquático criado pela empresa (na foto) – e que complementa o trabalho dos mergulhadores – ou da requisição de drones.

Leia aqui: Enging. Caça-avarias em centrais nucleares e petroquímicas

Incubada no IPN – Instituto Pedro Nunes, a Matereo está a negociar contratos com gestores de infraestruturas como a IP – Infraestruturas de Portugal, as concessionárias Brisa e Ascendi e ainda os espanhóis da Globalvia.

A Matereo começou formalmente em 2014 e juntou-se, dois anos mais tarde, ao programa de aceleração ESA-BIC, em parceria com a Agência Espacial Europeia. Este passo foi crucial para a startup de Coimbra reforçar a aposta na inteligência artificial.

Leia aqui: Trazer à Terra o que de melhor se faz no Espaço

Falta apenas “afinar o modelo de negócio, tendo em conta que estamos a falar de manutenção como um serviço. Preferimos, por exemplo, a cobrança de uma anuidade, que poderá aumentar conforme o número de serviços que venham a ser necessários”.

Apesar de os fundadores da Matereo terem já investido cerca de 120 mil euros, está afastada, para já, uma injeção de capital. “Primeiro, temos de dar provas de valor da tecnologia para pensar nisso de forma mais vincada.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Centeno, ministro das Finanças e presidente do Eurogrupo. Fotografia: EPA/STEPHANIE LECOCQ

Peso da despesa com funcionários volta a cair para mínimos em 2020

26/10/2019 ( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

Conselho de Ministros aprovou Orçamento do Estado

Marcelo Rebelo de Sousa, Christine Lagarde e Mário Centeno. Fotografia: MIGUEL FIGUEIREDO LOPES/LUSA

Centeno responde a Marcelo com descida mais rápida do peso da dívida

Outros conteúdos GMG
Matereo. Inteligência para prevenir queda de pontes e viadutos