Mudey: Mediador de seguros 100% digital quer 20 mil clientes até 2023

Simplicidade, transparência e personalização são os princípios do projeto, o primeiro totalmente digital no país e que tem já parcerias com sete seguradoras. O serviço é gratuito e regulado pelo Estado.

Foi já em plena pandemia que a Mudey, o primeiro mediador de seguros 100% digital em Portugal, chegou ao mercado. E a altura não podia ser mais propícia a um projeto que pretende "descomplicar" o processo de pesquisa, comparação, contratação e gestão de seguros. Em três meses de atividade, a Mudey conta já com mais de 700 utilizadores, sendo que o objetivo das cofundadoras, as irmãs Ana e Sónia Teixeira, é atingir a meta dos 5 mil até ao final do primeiro ano. Em três anos, o objetivo são os 20 mil utilizadores.

E se a mediação online já fazia sentido antes, por questões de comodidade e rapidez, com a covid tornou-se ainda mais necessária. "As pessoas não querem ter de se deslocar a uma agência bancária ou a uma seguradora. Gerir e comprar seguros de forma digital, sem sair de casa, faz mais sentido do que nunca", diz Ana Teixeira.

Licenciada em Economia pela Universidade do Porto e com uma pós-graduação em Análise Financeira pela Porto Business School, Ana mudou-se para Inglaterra, em 2011, para fazer o MBA Executivo em Cambridge, e foi aí que começou a trabalhar na área dos seguros online, com a Beagle Street Life Insurance. Participou depois na geração de comparadores de seguros em França e na Holanda e, mais recentemente, esteve ligada à criação da Dead Happy, uma das insurtechs com maior sucesso a nível europeu.

O projeto da Mudey nasce de forma casual, num dia que, em Portugal, precisou de contratar um seguro de saúde e procurou fazê-lo online - e teve grande dificuldade. "Percebi que havia escassez de informação, que as diferenças de preços eram muito acentuadas, mas era difícil perceber porquê, enfim, o processo em si era bastante complicado, burocrático e moroso e não permitia uma decisão informada", conta. A oportunidade de negócio estava identificada, bem como a parceira no projeto, a sua irmã Sónia, com "larga experiência" na área jurídica e que tem a seu cargo toda a componente de regulação, proteção de dados e conformidade com a legislação aplicável.

A ideia era criar uma wallet virtual para uma "gestão autónoma e eficiente" da carteira de seguros de cada família e o desenvolvimento da plataforma começou em 2019, mas só em julho deste ano a Mudey chegou efetivamente ao mercado. O montante de arranque, no valor de 720 mil euros, foi obtido graças a uma ronda de investimento de business angels portugueses, brasileiros e americanos, que "permitiu contratar uma equipa de tecnologia e de marketing e acelerar o desenvolvimento da plataforma e a chegada ao mercado". Com sede em Vila Nova de Gaia, a Mudey conta hoje com sete trabalhadores a tempo inteiro e dois em part-time.

Disponível em mudey.pt, a plataforma permite a gestão centralizada, num único local, de todos os seguros, independentemente da seguradora contratada. Funciona ainda como arquivo centralizado, onde pode aceder a qualquer momento aos documentos associados a cada apólice. Além disso, a wallet Mudey oferece um serviço de consultoria personalizada, com avaliações dos seguros que o utilizador já tem e sugestões sobre outros relacionados com a profissão, a família ou o seu estilo de vida. Se tem animais de estimação ou se pratica desporto, por exemplo, a plataforma poderá sugerir-lhe a contratação de seguro de animais ou de acidentes pessoais.

Por fim, há uma quarta funcionalidade, a gestão de renovações. O serviço tem um sistema de alerta de renovação associado, oferecendo, em simultâneo, uma pesquisa de mercado sugerindo potenciais alternativas. Tudo de forma totalmente gratuita, aliás, como definido por lei. A atividade é regulada pela Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensão e estabelece que, caso o consumidor compre um seguro através de um mediador, este recebe uma comissão paga pela seguradora. Allianz, April, Asisa, Europ Assitance, Liberty, Lusitânia e Metlife são os grupos com os quais a Mudey trabalha, mas "há mais parcerias prestes a serem fechadas", diz Ana Teixeira, sublinhando: "Há muito interesse por parte das seguradoras em se juntarem a nós."

Quanto aos seguros, são oito os produtos que a Mudey tem para já disponíveis, para compra de forma totalmente automatizada online. São eles os seguros de viagem, acidentes pessoais, bicicleta, trotinete, drones, crianças e família, bem como, é claro, o seguro de vida, que é a "estrela da companhia", garante a jovem empresária. Para breve está previsto o lançamento da contratação online também do seguro de saúde. A intenção é ir alargando as ofertas todos os meses.

Simplicidade, transparência e personalização são os três princípios-chave da Mudey. "Para que possa tomar uma decisão informada, o consumidor tem de ter acesso rápido aos documentos, conseguir comparar os vários produtos e perceber quais as diferenças entre uns e outros e, sobretudo, o que está ou não incluído em cada proposta. E isso tem de estar tudo explicado de forma simples e transparente. Se o consumidor optar por não contratar determinada cobertura, tem de ser de forma consciente e não por falta de informação", defende Ana Teixeira. Embora nasça em Portugal, a Mudey tem ambições internacionais. O objetivo é usar os contactos pré-estabelecidos com os business angels que investiram na companhia para internacionalizar o conceito, começando eventualmente pelo Brasil e alargando depois aos Estados Unidos, entre outros mercados-alvo. "A intenção é que Portugal funcione como mercado-piloto nos primeiros dois anos, até para provar que o modelo de negócio funciona, e depois avançaremos", diz.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de