Tecnologia

MyCujoo A tecnologia que democratiza a transmissão de futebol

Ricardo Presa, irmão dos fundadores da MyCujoo, é responsável pela operação em Portugal. Fotografia: Paulo Spranger/Global Imagens
Ricardo Presa, irmão dos fundadores da MyCujoo, é responsável pela operação em Portugal. Fotografia: Paulo Spranger/Global Imagens

Há uma aplicação que está ao dispor de clubes e adeptos, e já transmite jogos de mais de cem clubes portugueses.

O Tsu Chu ou Cuju é, muito provavelmente, a origem mais remota do que é hoje o futebol. Este jogo, que implicava uma bola e habilidade de pés, surgiu na China algures entre os séculos II e III aC. Pedro e João Presas, dois empreendedores portugueses, viajaram no tempo e associaram o Cuju à democratização em curso das transmissões televisivas de futebol.

Em 2014, criaram a MyCujoo, designação que alia a origem do futebol ao próprio jogo, com os “oo” a procurar recordar bolas de futebol. A MyCujoo é uma plataforma de transmissão de jogos de futebol, com sede em Amesterdão, Holanda, e que acaba de abrir um escritório em Lisboa. A ambição desta startup é grande. Sem papas na língua quer ser a maior plataforma do mundo de futebol e democratizar o acesso ao jogo rei.

Pedro Presa, boavisteiro de coração, é o ideólogo desta startup. A viver, então, na Suíça e sem solução para visionar os jogos do seu clube de eleição, Pedro Presa decidiu criar uma plataforma que permitisse transmitir as competições semiprofissionais e amadoras que não captavam o interesse dos canais televisivos. Pedro Presa viu essas transmissões como uma oportunidade de negócio e pôs mãos à obra. Afinal, há cerca de quatro milhões de clubes no mundo, 400 milhões de jogadores e só 10% deste universo tem exposição televisiva. Havia, portanto, um nicho de mercado, com milhões de adeptos, a explorar.

Pedro chamou o irmão João, na altura, a viver na Noruega, e na sala de estar desenharam o projeto. Pouco depois e com o apoio de um investidor suíço arrancaram com o desenvolvimento da plataforma. Isto foi entre 2014 e 2015. A empresa decide pouco depois instalar-se em Amesterdão que oferecia uma série de apoios e incentivos às startups. O projeto começou devagar, com três clubes a associarem-se à MyCujoo. Hoje, o plano de negócios é ambicioso e já comportou a abertura de um escritório em Lisboa, que está a ser dirigido pelo terceiro irmão Presa, Ricardo Presa.

De Zurique para os EUA

O primeiro parceiro a associar-se à MyCujoo foi a equipa sénior do FC Zurich Frauen e logo depois chegaram os jogos da I Divisão de futebol feminino da Dinamarca. O ano de arranque (2015) fechou com 30 clubes, de quatro países europeus, a transmitir um total de 90 jogos em direto via MyCujoo. Ricardo Presa sublinhou que este mercado “não tinha qualquer exposição televisiva”. O crescimento foi rápido e as perspetivas para o futuro são de forte aceleramento.

Como adiantou Ricardo Presa, a plataforma da MyCujoo foi desenvolvida internamente por uma equipa de técnicos da startup com o objetivo de fazer apenas a distribuição dos jogos. “Não fazemos produção, só distribuição, e oferecemos a tecnologia” para a integração do direto na plataforma, sublinhou. A filmagem está a cargo dos clubes e a MyCujoo disponibiliza um estúdio online, que permite inserir gráficos, marcadores, tempo de jogo e outras funcionalidades.

O acesso à plataforma e o visionamento de jogos são totalmente gratuitos. Cada parceiro ou clube de futebol pode ter, assim, o seu próprio canal de televisão na MyCujoo.

A startup quis facilitar todo o processo de filmagem. De acordo com Ricardo Presa, a empresa desenvolveu uma aplicação para Android e iOS que permite filmar e transmitir um jogo de futebol utilizando apenas uma câmara ou um telemóvel, um computador portátil, cartão 4G (para acesso à internet), um tripé e um adaptador. Esta inovação teve em conta que 60% a 65% dos utilizadores da plataforma assistem aos jogos no telemóvel.

No ano passado, a MyCujoo transmitiu 4400 jogos em direto, de 2250 clubes, de 62 países. Segundo Ricardo Presa, a plataforma registou um milhão de espetadores por mês. Tudo através das mais de 600 televisões sediadas na plataforma digital. Para este ano, a previsão é transmitir 16 mil jogos, de clubes de 65 países e garantir três milhões de espectadores por mês.

A alavancar este crescimento, a MyCujoo assinou, no mês passado, um contrato com a liga amadora norte-americana United Premier Soccer League, com 130 clubes associados. Esta parceria soma–se a muitas outras já concretizadas, um pouco por todo o mundo, como a realizada com a Confederação Asiática de Futebol ou com dez federações estaduais de futebol do Brasil, e previstas para breve, como a Oceania Football Confederation. Para acompanhar este crescimento, a startup abriu escritórios de apoio em Singapura e em São Paulo, no Brasil.

Crescer em Portugal

A MyCujoo está a crescer também em Portugal e, por isso, acaba de apostar na abertura de um escritório em Lisboa, onde trabalham atualmente quatro pessoas. O objetivo é dar apoio operacional à sede e ter até ao final deste ano um quadro com 20 colaboradores. Afinal, a plataforma digital tem já 98 televisões ativas em Portugal. Como referiu Ricardo Presa, clubes como o SC Braga, CD Nacional, GS Carcavelos, CD Olivais e Moscavide, FC Alverca, GD Vilar de Perdizes, SC Maria da Fonte, entre muitos outros, quase cem, já transmitem os seus jogos via MyCujoo. “Estes clubes veem as transmissões como um passo em frente e uma ligação lógica aos seus planos de crescimento, inovação e expansão”, afirmou.

Nestes anos iniciais, a startup tem sido alvo de constantes investimentos, que começaram agora a dar resultados. Ricardo Presa escusou-se a adiantar valores globais, frisando que a empresa tem estado centrada no desenvolvimento da tecnologia e dos conteúdos. Ainda assim, revelou que, este mês, um investidor suíço aplicou 4,3 milhões de francos suíços (ou perto de 3,7 milhões de euros) na empresa.

A MyCujoo vai agora focar-se na área comercial. A ideia é garantir publicidade e patrocínios para rentabilizar a plataforma. Este ano, a estimativa de receitas aponta para 2,8 milhões de euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

No final de 2019 Estado terá mais 11 400 novos funcionários

Lucília Gao com Joana Marques Vidal no dia da sua tomada de posse como diretora do Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa © DR-Ministério Público

Lucília Gago é a nova PGR. Tudo o que precisa de saber

Juan José Dolado, economista, investigador e professor universitário (Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Pior do que a precariedade vão ser os baixos salários”

Outros conteúdos GMG
MyCujoo A tecnologia que democratiza a transmissão de futebol