Investimento

Planet of Finance chega a Portugal de olhos postos nas start-ups

Este “marketplace” que liga investidores e oportunidades de investimento e ambiciona apostar 180 milhões em startups nacionais nos próximos anos.

O Planet of Finance, uma espécie de ponto de encontro (“market place” em inglês) entre investidores e oportunidades de investimento, vai ter representação em Portugal. A vinda para território nacional, conta o country manager, “integra-se numa estratégia de crescimento da plataforma, que já é o maior ‘marketplace’ que liga investidores, gestores e projetos de investimento”.

“Portugal tem um ecossistema de startups em crescimento” e um ambiente fiscal “atrativo” para os mais ricos, diz. “Reunir as melhores oportunidades de investimento disponíveis em Portugal com investidores internacionais e contribuir para levantar capital para as melhores ideias de investimento em Portugal é o objetivo do Planet Finance” no nosso país, acrescenta.

Os investidores que integram a Planet of Finance têm assim manifestado interesse sobre Portugal e existe a ambição de que sejam captados, ao longo dos próximos anos, cerca de 180 milhões de dólares para que possam ser investidos em projetos em Portugal. Contudo, o investimento estará dependente dos projetos que forem apresentados.

“O capital disponível por parte dos investidores tem vindo a crescer a um ritmo significativo. Desde janeiro de 2017 mais de mil milhões de dólares foram distribuídos através do Planet of Finance. Depende tudo do mérito do projeto de investimento e da sua capacidade para convencer os investidores. O nosso objetivo é ajudar as startups a alcançar esses investidores e facilitar os objetivos de levantamento de capital”, sublinha Nuno Rocha.

Mas nem só startups pode ser alvo de investimento por parte deste “marketplace”. PME, projetos na área da arte e imobiliário, entre outros, também poderão receber investimento. “O principal objetivo do Planet of Finance é tornar disponível para projetos portugueses o capital de investidores mundiais que, de outra forma, não considerariam Portugal como o um destino de investimento”, salienta o country manager.

“No atual mundo competitivo ser capaz de captar um euro de investimento é muito mais difícil do que há anos. Queremos capitalizar o destaque que Portugal está a ter atualmente e ser o canal para executar esses investidores”, remata.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
Planet of Finance chega a Portugal de olhos postos nas start-ups