Portugal cria plataforma para mostrar todas as startups nacionais

Países da União Europeia comprometem-se em criar todas as condições para apoiar o nascimento de novas empresas tecnológicas. Para isso, têm de cumprir oito pontos nas políticas públicas.

Portugal conta com uma plataforma para mostrar todas as informações sobre as startups nacionais. A Startup Portugal chegou a acordo com o portal Dealroom. A partir desta sexta-feira, é possível saber dados como o número de startups, investidores e funcionários. A plataforma foi tornada pública no dia em que os países da União Europeia comprometeram-se a criar todas as condições para apoiar o nascimento de novas empresas tecnológicas.

Segundo a plataforma do Dealroom, há 2123 startups registadas em Portugal, que dão empregos a cerca de 25 mil pessoas. Até agora, a Startup Portugal contava com uma base de dados que reunia apenas a informação sobre os apoios para criação de novas empresas.

O Startup Nations Standard é a proposta para se criar e cumprir um manual de boas práticas e um índice de excelência para a criação e desenvolvimento de empresas de base tecnológica. Este documento contém recomendações específicas ao nível de políticas públicas com vista a fomentar o empreendedorismo a nível Europeu e tornar o continente num ecossistema de startups mais competitivo.

Criar uma startup por menos de 100 euros e num só dia através da internet ou de forma presencial é um dos principais objetivos desta iniciativa.

Dos 27 países da UE, apenas Bulgária e Croácia não assinaram o acordo, que inclui a Islândia. Há oito pontos essenciais na definição de políticas públicas de empreendedorismo: simplificação do processo de criação de empresa, estratégias para atrair e reter talento, diminuição de burocracias em relação à inovação, experimentação e transferência de tecnologia, acesso facilitado a financiamento, inclusão social e diversificação, e prioridade à digitalização.

O acordo estava a ser desenhado há mais de dois anos pelo presidente da Startup Portugal, Simon Schaefer, em conjunto com a Comissão Europeia.

"Isto é um passo muito importante a nível de política pública para startups e empresas tecnológicas. Os Estados Membros signatários e a Comissão Europeia reconhecem a falta de sucesso da Europa e estão dispostos a criar parâmetros legais para melhorar a situação. Muitas coisas que sabemos que resultam, como algumas das iniciativas implementadas em Portugal ao longo dos últimos anos, vão finalmente começar a ser adoptadas por toda a Europa", refere o gestor alemão, citao em comunicado de imprensa.

O cumprimento destas recomendações vai ser vigiado pela Startup Nations Alliance. Com base em Portugal, esta aliança conta com a participação de organizações de startups como Startup Portugal, Deutsche Startups, France Digitale, Scale Ireland e Startup Estonia. Também fazem parte deste grupo fundos de investimento como Accel, Index Ventures e SeedCamp, e empresas como Cabify, Stripe, Wise e Supercell.

As novidades não ficam por aqui: Portugal vai acolher uma "estrutura permanente europeia para o empreendedorismo", com o apoio da Comissão Europeia. Esta organização permitirá apoiar a criação e o crescimento de startups, a atração de talento e a internacionalização, segundo o anúncio feito na edição de 2021 do Dia Digital da Comissão Europeia.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de