Fazedores

Portugal Ventures investe 1,3 milhões de euros em cinco startups de turismo

O conselho de administração da Portugal Ventures. Foto: Direitos Reservados.
O conselho de administração da Portugal Ventures. Foto: Direitos Reservados.

A sociedade pública de capital de risco investiu em cinco startups de turismo que representam um total de 1,3 milhões de euros de investimento.

A Portugal Ventures, sociedade pública de capital de risco, investiu em cinco novas startups de turismo. A Bag4Days, a Classihy, a Sailside, a Try Portugal e a X-Plora são os mais recentes investimentos da capital de risco. O investimento total nestas cinco empresas totaliza 1,3 milhões de euros e eleva o investimento da Portugal Ventures desde o início do ano para 11,8 milhões de euros, concretizado em 21 startups.

“A Portugal Ventures em parceria com o Turismo de Portugal e o Nest – Centro de inovação do Turismo, lançou em junho a Call Fostering Innovation in Tourism com o objetivo de responder a uma falha de mercado, para financiar projetos de turismo em fase pré-seed que, pelas suas características e um grau de risco mais elevado, enfrentam maiores dificuldades no acesso ao financiamento. Nesta iniciativa participaram os projetos finalistas dos programas de aceleração do Turismo de Portugal Fostering Innovation in Tourism, concluídos nos anos de 2017 e 2018″, pode ler-se no comunicado enviado às redações.

Através da Call FIT, a capital de risco pública investiu nos projetos Bag4Days, Classihy e Sailside. Está previsto que no próximo ano seja lançada a segunda edição desta call, “à qual se podem candidatar os projetos finalistas dos programas de aceleração do Turismo de Portugal 2019/2020”. E através da Call Tourism foram concretizados os investimentos na Try Portugal e na X-Plora “aumentando assim para 20 o número de empresas do portefólio de turismo da Portugal Ventures”.

Pedro de Mello Breyner, Executive Board Member da Portugal Ventures, responsável pela área do Turismo, defende em comunicado que: “o trabalho em conjunto com o Turismo de Portugal reflecte-se agora com o crescimento do nosso portefólio, com startups e projetos que vão ajudar a impulsionar o setor. As empresas que resultam do programa FIT representam também uma aposta nossa em colmatar a falta de investimento nesta fase dos projetos, o que nos dá a oportunidade de contribuir para posicionar Portugal como um polo de referência na inovação, no empreendedorismo e na produção de bens e serviços para a indústria do turismo”.

Quem são os cinco novos investimentos?

A Bag4days tem um serviço de aluguer de malas de viagem, entregando e recolhendo a mala em qualquer morada europeia indicada pelo cliente. Incentivam a prática sustentável de recursos através da partilha de bens duráveis, contribuindo para a sustentabilidade do meio ambiente, indica a capital de risco em comunicado.

A Classihy é uma plataforma que permite aos gestores das unidades hoteleiras e de restauração gerir os funcionários de acordo com as valências necessárias para as várias funções.

A Sailside, que criou o Airbnb dos barcos português. “Não vendemos um aluguer, é uma experiência náutica. Queremos que as pessoas comprem histórias e emoções. Há poucos acontecimentos felizes na nossa vida que não se passem num barco”, disse ao Dinheiro Vivo João Villas Boas, líder da empresa, no final de setembro.

A Try Portugal é uma plataforma e operador turístico que promove programas e experiências personalizadas de turismo ativo, cultural e desportivo explorando o património natural e cultural do nosso país.

E a X-Plora é uma app que guia os utilizadores através de museus, estádios, castelos ou mesmo cidades de uma forma interactiva e imersiva, através de conteúdo contextualizado: realidade aumentada e virtual, vídeos 360º, som binaural, entre outros, de acordo com a Portugal Ventures.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Banco de Portugal

Bancos concederam moratórias a 741 623 empréstimos entre março e junho

Pingo Doce

PD. Sindicato quer impugnar no Tribunal “golpada” no referendo do banco de horas

Hiper Pingo Doce__00266

Sindicato leva banco de horas do Pingo Doce a tribunal

Portugal Ventures investe 1,3 milhões de euros em cinco startups de turismo