Hotelaria e Restauração

Prochef. As fardas que conquistaram o “10 estrelas” Michelin

Orquídea Silva, proprietária da Prochef, empresa especializada em fardas de cozinha personalizadas. Fotografia: Ivo Pereira/Global Imagens
Orquídea Silva, proprietária da Prochef, empresa especializada em fardas de cozinha personalizadas. Fotografia: Ivo Pereira/Global Imagens

Empresa produziu as fardas da equipa do restaurante basco do chef Martín Berasategui, um cliente a juntar aos prestigiados nomes da cozinha portuguesa

A Prochef, empresa especializada na conceção e fabrico de fardas para chefes de cozinha e profissionais do canal Horeca (hotéis, restaurantes e cafés), foi escolhida pelo reputado cozinheiro basco Martín Berasategui para vestir a sua equipa no restaurante de Lasarte-Oria. O chef, que já soma dez estrelas Michelin, rendeu-se às jalecas fabricadas em Vila do Conde, que já vestem conceituados nomes da cozinha portuguesa como José Avillez, Henrique Sá Pessoa, Vítor Matos, Tiago Bonito, Filipe Carvalho ou Olivier da Costa.

A empresária, que comercializa no país um sistema de limpeza de utensílios muito queimados e engordurados para o canal Horeca, via constantemente os cozinheiros e as suas equipas com “umas fardas muito feias”. “As mulheres até vestiam roupas de homem”, frisa. Desta constatação até à criação da Prochef foi um segundo. A filha Natacha Teixeira de Magalhães segurou no lápis e, em 2005, saiu a primeira coleção de fardamento profissional. O mercado ficou rendido.

Impulsionada pelo sucesso conquistado, Orquídea Silva lançou a Prochef Pastry (pastelaria) e a Prochef Kids. Como adianta, as sobras de tecidos permitem fazer jalecas, aventais e gorros para crianças e, desta forma, valorizar os desperdícios. Os fardamentos para as áreas da saúde, limpeza e spa foram outras apostas. Em simultâneo, lançou uma linha de sapatos adequada à atividade de cozinha, que exige biqueira de aço, solas antiderrapantes, elevado conforto e leveza.

Espanha na mira
O sucesso das fardas da Prochef deve-se ao passa-a-palavra. “Não temos vendedores”, sublinha Orquídea Silva, “são os clientes que vêm ter connosco”. E, por isso, só agora é que a empresa vai investir na internacionalização. As fardas da marca portuguesa já vestem profissionais em Inglaterra, Dubai, Angola e Macau, mas são encomendas que chegam diretamente, sem nenhum esforço comercial. O primeiro mercado a desbravar será Espanha. A empreendedora espera ser bem recebida, depois de ter conquistado o premiado Martín Berasategui. Em preparação, está a criação de um site da marca em espanhol para apoiar a comunicação com os potenciais clientes.

A aposta na internacionalização também obrigou a reforçar a área produtiva. No ano passado, a empresa foi obrigada a recusar encomendas, porque a unidade fabril, onde trabalham nove pessoas, já não garantia resposta às solicitações. Orquídea Silva formalizou entretanto três parcerias com fábricas em Vila do Conde e Guimarães, para assegurar capacidade de resposta. Em breve, vai também adquirir novas máquinas de acabamentos em Vila do Conde, num investimento de 60 mil euros.

No ano passado, o grupo Prochef gerou vendas de 1,1 milhões de euros, um crescimento da ordem dos 70 mil euros face a 2017, que só não foi maior por incapacidade de resposta da produção. Solucionada essa lacuna, Orquídea Silva estima que no atual exercício a faturação possa registar um incremento de 30%. A comercialização do sistema de limpeza de utensílios para o canal Horeca, sob a marca Fat-Tank, é o negócio mais forte do grupo, valendo perto de 600 mil euros. As fardas para profissionais Horeca contribuem com 400 mil euros e o remanescente é obtido através da agência e dos serviços para a área da culinária.

O grupo tem ainda uma loja na Póvoa de Varzim e há dois anos apostou no comércio eletrónico, canal que tem registado uma forte procura do mercado interno, mas também de origens como Inglaterra ou França. Em estudo está a abertura de um espaço físico em Lisboa, que Orquídea Silva gostaria de animar com workshops de culinária.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Créditos ruinosos da Caixa nas mãos do Ministério Público

A330-900 neo

A330 neo. Associação de pilotos quer ouvir especialistas na Holanda

(REUTERS/Rafael Marchante)

2019 a caminho de ser o melhor ano de sempre da Autoeuropa

Outros conteúdos GMG
Prochef. As fardas que conquistaram o “10 estrelas” Michelin