financiamento

Quer entrar com a startup em Bolsa? Euronext está à procura

Euronext pretende atrair startups para Bolsa de Lisboa. Fotografia: Arquivo Global Imagens
Euronext pretende atrair startups para Bolsa de Lisboa. Fotografia: Arquivo Global Imagens

Avaliação da startup ou venda de ações são algumas das hipóteses para as novas empresas que acederem a estes mercados

Desde uma avaliação de mercado à venda de ações, a sua startup pode entrar no mercado de capitais nas próximas semanas. A partir de 19 de junho, entram em vigor as alterações nos mercados da Euronext, a entidade gestora da Bolsa de Lisboa: Access, Access+ e Growth são os três mercados destinados a startups e pequenas e médias empresas.

O Access (primeiro nível) e Access+ (segundo nível) destinam-se sobretudo a startups. No nível Access (ex-Easynext), a empresa tem de encontrar um intermediário financeiro, apresentar os relatórios financeiros dos últimos dois anos e comprometer-se a comunicar regularmente com o mercado. Isto pode ajudar, por exemplo, a determinar a avaliação da empresa ou a facilitar uma eventual venda das posições dos acionistas.

No nível Access+, além de todos os requisitos anteriores, os acionistas da empresa têm de ter pelo menos um milhão de euros de capital disperso (free float).

O Euronext Growth destina-se sobretudo a pequenas e médias empresas: têm de ter os relatórios financeiros auditados dos últimos dois anos, a empresa tem de encontrar um intermediário financeiro, e tem de ter capital disperso de pelo menos 2,5 milhões de euros.

A gestora da bolsa portuguesa diz que a sua missão “é fortalecer os mercados de capitais financiando a economia real. Isto reflecte-se em adaptações constantes das nossas bolsas e serviços para ir de encontro às necessidades das empresas europeias”.

As novas regras estão sujeitas ainda à aprovação dos reguladores.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Lisboa, 16/07/2019 - Decorreu hoje parte de uma reportagem sobre, empregos criados pelas empresas de partilha de veículos em Portugal..
Acompanhamos a recolha, carregamento e reparação das trotinetes partilhadas da Circ.

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Partilha de veículos dá emprego a mais de 500 pessoas

Lisboa, 16/07/2019 - Decorreu hoje parte de uma reportagem sobre, empregos criados pelas empresas de partilha de veículos em Portugal..
Acompanhamos a recolha, carregamento e reparação das trotinetes partilhadas da Circ.

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Partilha de veículos dá emprego a mais de 500 pessoas

António Mexia, CEO da EDP. Fotografia: REUTERS/Pedro Nunes

Saída de clientes da EDP já supera as entradas

Outros conteúdos GMG
Quer entrar com a startup em Bolsa? Euronext está à procura