novos negócios

Rainha da Holanda calça português

Rodrigo Leite teve, no calçado, o primeiro emprego aos 11 anos. Ao calçado regressa, aos 87. (Fotografia: Tony Dias/Global Imagens)
Rodrigo Leite teve, no calçado, o primeiro emprego aos 11 anos. Ao calçado regressa, aos 87. (Fotografia: Tony Dias/Global Imagens)

Símbolo de luxo e glamour nos 80, os sapatos Paulo Brandão estão de volta. O empresário nortenho, Rodrigo Leite, comprou a marca e renovou a fábrica.

Passaram duas décadas desde que Paulo Brandão calçou Sarah Jessica Parker em O Sexo e a Cidade. A marca, que foi um ícone do calçado feminino de luxo na década de 80 e 90, renasce agora pelas mãos de Rodrigo Leite, o empresário que dedicou a vida aos transportes e à logística. Hoje, três dias depois de completar 87 anos, Rodrigo Leite inaugura oficialmente a nova fábrica VersãoLatina, em Oliveira de Azeméis, onde são produzidos os sapatos Paulo Brandão e até os sapatos da rainha da Holanda.

A bem da verdade, quem é cliente de Rodrigo Leite é Jan Jensen, o estilista que calça Máxima, a rainha da Holanda.

E que compra, sob a sua marca, na fábrica de Oliveira de Azeméis. O empresário investiu um milhão de euros na compra da marca Paulo Brandão e da unidade fabril VersãoLatina, bem como na sua renovação e ampliação.

No novo pavilhão da Zona Industrial de Travanca, que ocupa aproximadamente 900 metros quadrados, os cerca de 200 convidados poderão hoje conhecer a coleção de primavera/verão 2016 no desfile preparado para assinalar o momento.

A prioridade de Rodrigo Leite é devolver o brilho e o esplendor de outrora aos sapatos Paulo Brandão, que se demarcam, agora, de uma marca de autor para passarem a ser uma “marca de tendências com identidade própria.

Solicitações de clientes em regime de private label, como as de Jan Jensen, não faltam, mas Rodrigo Leite admite que ainda está a estudar se avança, em força, nesse segmento de negócios. “É uma aposta que estamos a encarar com alguma prudência. Teríamos de aumentar muito a produção para dar resposta a essas solicitações e não sei. Não está nada definido”, garante.

O que não invalida que esteja já a negociar mais uma máquina de corte automático. Um processo que leva alguns meses e o empresário até admite que a máquina acabará por se tornar necessária. É um equipamento que representa um investimento da ordem dos 100 a 150 mil euros e que, a ser adquirido, levará à contratação de mais quatro a cinco pessoas. “Mas ainda é muito cedo para pensar nisso. Os preços no private label são muito esmagados, temos de analisar muito bem se vale ou não a pena. Estamos aqui para ganhar dinheiro, não é para perder nem para fazer favores”, argumenta.

Só produz calçado de senhora, apesar das solicitações para que entre noutros sectores.

“É muito cedo”, volta à carga. A sua prioridade é devolver o brilho e o esplendor de outrora aos sapatos Paulo Brandão, que se demarcam, agora, de uma marca de autor para passarem a ser uma “marca de tendências com identidade própria”, procurada pelo “seu know how, originalidade, exclusividade e qualidade dos sapatos dedicados ao público feminino”.

Com 20 trabalhadores, a VersãoLatina está preparada para fazer até cem pares por dia. Para já, não vai além dos 80, já que “cada par de sapatos é trabalhado artesanalmente e com elevado nível de exigência”. O uso das peles de elevada qualidade e do vinil, os vernizes e a aplicação dos metais são exemplos de processos que exigem uma componente de trabalho manual muito especializado e que confere a cada sapato o seu carácter único no qual o conforto, mesmo nos saltos altos é obrigatório, é uma das prioridades e características distintivas da marca.

Com 20 trabalhadores, a VersãoLatina está preparada para fazer até cem pares por dia. (Fotografia: Tony Dias/Global Imagens)

Com 20 trabalhadores, a VersãoLatina está preparada para fazer até cem pares por dia.
(Fotografia: Tony Dias/Global Imagens)

Europa, Médio Oriente, Angola, África do Sul e Austrália são os principais mercados onde a Paulo Brandão está já representada. E embora esteja a encetar alguns contactos na China, Rodrigo Leite admite que “ainda é muito cedo para entrar, com qualidade” neste mercado. Já o Brasil e a Colômbia, onde a marca esteve presente na ColombiaModa, em julho, são países com grande interesse, mas “com direitos elevadíssimos”, o que torna difícil uma aposta com sucesso. “No Brasil os direitos alfandegários chegam a ser da ordem dos 60%”, diz Rodrigo Leite.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: Tiago Melo

Crédito chega às famílias mas nunca foi tão baixo para as empresas

Francisco de Lacerda, CEO dos CTT

Especuladores têm aposta de 35 milhões na queda das ações dos CTT

Foto: DR

Luta pelos cargos de topo do BCE aquece. Espanha favorita no primeiro round

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Rainha da Holanda calça português