financiamento

Santa Casa desafia startups para inovação social digital

Património é uma das áreas do Santa Casa Challenge. Fotografia: Gonçalo Villaverde / Global Imagens
Património é uma das áreas do Santa Casa Challenge. Fotografia: Gonçalo Villaverde / Global Imagens

Instituição procura soluções tecnológicas inovadoras para áreas como a ação social, cultura e património, economia social e saúde

A Santa Casa de Lisboa está a desafiar as startups portuguesas para um concurso de inovação social digital. Já arrancaram as candidaturas para o Santa Casa Challenge, programa que pretende “associar as novas tecnologias ao desenvolvimento social e bem-estar da população”, refere a entidade.

A instituição está, por isso, à procura de soluções tecnológicas inovadoras para áreas como a ação social, cultura e património, economia social e saúde. A Santa Casa acredita que estas soluções “devem originar dispositivos, aplicativos, conteúdos digitais, serviços web ou de comunicação”.

O desafio está aberto a “empreendedores, individualmente ou em equipa; entidades coletivas sem fins lucrativos; e startups (constituídas há menos de três anos). Cada equipa pode incluir, no máximo, 4 elementos.”

As candidaturas estão abertas até 7 de outubro através desta página. Os finalistas serão conhecidos a 31 de outubro e a apresentação dos finalistas será feita a 8 de novembro, em pleno Web Summit.

Knok. Médicos não são táxis. Mas pode escolher o seu agora mesmo

A Santa Casa de Lisboa tem três prémios para os melhores projetos: 2 500 euros para a melhor solução em cada uma das áreas do concurso; prémio surpresa para as três melhores propostas, independentemente da área; e a possibilidade de desenvolver um projeto-piloto em equipamentos ou serviços da Santa Casa.

O Santa Casa Challenge conta com os apoios da Aicep, Crédito Agrícola, Fábrica de Startups, Federação Nacional de Associações de Business Angels, Fraunhofer Portugal, Microsoft, Associação Mutualista Montepio e Nos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Santa Casa desafia startups para inovação social digital