Martim de Botton

Santini. Os gelados do Tamariz vão ter sotaque (e sabor) tripeiro

Martim de Botton, administrador da Santini
Martim de Botton, administrador da Santini

Se vive no Porto, em abril poderá estar a saborear um gelado Santini com alma Invicta. Martim de Botton, administrador da Santini, não revela o sabor, a ser criado em segredo pela família Santini: "Estamos ainda em testes."

A novidade poderá surgir já na Páscoa, no início de abril, a data prevista para a abertura da loja da Santini no Porto. São algumas dezenas de metros quadrados em plena Baixa da cidade, no Largo dos Lóis. “O edifício foi totalmente reabilitado e nós vamos ocupar 200 metros quadrados e criar 20 postos de trabalho”, conta Martim de Botton. Gerente e funcionários de balcão/caixa são as vagas em aberto para as quais a Santini já está a recrutar. As candidaturas podem ser feitas através da página do Facebook.

Martim de Botton não revela o investimento feito pela Santini para o arranque do seu sexto espaço e o primeiro fora da Grande Lisboa. Fundada em 1949 no Tamariz, em Cascais, a famosa marca de gelados começou na vila de pescadores, expandindo depois para São João do Estoril e, mais recentemente, Carcavelos e Lisboa, onde está no Chiado e no Mercado da Ribeira.

Os consumidores do Porto vão poder viver a Santini experience em pleno. Ou seja, a produção de gelados vai ser feita na fábrica que a marca abriu em 2012 no Mercado Municipal de Carcavelos – que implicou um investimento de 1,2 milhões de euros. “A distribuição é depois feita pela Santini, garantindo que se mantém toda a qualidade”, diz. A marca faz questão em produzir todos os gelados com fruta portuguesa. “Todos os gelados são feitos com fruta nacional, com a exceção da manga”, conta Martim de Botton. “Por isso é que os sabores vão variando consoante a fruta da época. Neste momento, não há morango nacional e, para garantir a qualidade, preferimos não ter esse sabor que é um bestseller”, conta.

“Há três anos, expandir para o Porto parecia quase impossível”, lembra o administrador. “Mas o Porto tem crescido muito em termos turísticos e fez sentido quando discutimos planos de expansão”, acrescenta. A expectativa para o espaço é grande. “No primeiro ano, a loja do Porto poderá representar entre 15% e 20% [da faturação global da Santini]”, refere Martim de Botton. No segundo, poderá chegar a 25%.

Para já, planos para novas cidades ainda não há. Mas, para quem vive ou visita Lisboa, a Santini tem uma novidade: a carrinha pão de forma Santini vai ter um poiso fixo. “Conseguimos autorização para pôr a carrinha junto ao CCB nos fins de semana. Depois da Páscoa vai ser possível comprar gelados na carrinha todos os dias.”

www.facebook.com/geladoSantini

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Centeno ladeado pelos representantes dos dois maiores credores de Portugal: Pierre Moscovici (Comissão) e Klaus Regling (ESM). Fotografia: EPA/JULIEN WARNAND

Centeno usa verbas da almofada de segurança para pagar aos credores europeus

Paulo Fernandes lidera o grupo Cofina. (Carlos Manuel Martins/Global Imagens)

Foto: Arquivo

Cofina quer TVI sem remédios

Crédito: Windfloat

EDP Renováveis leva tecnologia eólica flutuante para a Ásia e investe na Coreia

Outros conteúdos GMG
Santini. Os gelados do Tamariz vão ter sotaque (e sabor) tripeiro