cowork

Second Home procura inquilinos para ‘casa’ de Lisboa

Espaço de empreendedorismo criativo é inaugurado em setembro mas já aceita candidaturas para Lisboa.

Com abertura marcada para Lisboa em setembro, a rede de cowork internacional Second Home já tem o processo de candidaturas aberto e anda à procura de inquilinos para o piso superior do Mercado da Ribeira, no Cais do Sodré. As candidaturas para o acelerador criativo e espaço cultural e de trabalho para fazedores podem ser feitas aqui.

Fundado em Londres em 2014, o Second Home anunciou a vinda para Lisboa em janeiro deste ano e andou à procura de um responsável que assegurasse a gestão a nível local. O eleito foi o português Frederico Carneiro.

O espaço de cowork contará com uma enorme mesa de 100 metros de comprimento e um espaço para realização de eventos de até 400 pessoas. Os membros do Second Home Lisboa poderão ocupar um espaço no Second Home em Londres sem pagarem qualquer extra.

O projeto pensado para Lisboa foi resultado de uma parceria entre a sede londrina e Alexandre Barbosa, da Faber Ventures. Na altura, o fundador do conceito, Rohan Silva, explicava na sua conta de Twitter que Lisboa “parece East London mesmo antes do cluster de tecnologia explodir. É uma cidade super criativa mas não há espaços suficientes para os criativos se juntarem. Ao mesmo tempo, cada vez mais pessoas estão a tornar-se empreendedores (…)”.

O projeto arquitetónico do espaço de Lisboa fica a cargo da dupla de arquitectos espanhóis Selgas Cano e tem como base “o principio de que as experiências mais reveladoras acontecem quando diferentes áreas, indústrias e ideias estão reunidas num mesmo espaço, criando uma comunidade ambiciosa e diversificada”, explica o Second Home em comunicado.

Membros da comunidade do Second Home Londres incluem nomes como a plataforma de crowdfunding Kickstarter, a marca de luxo italiana Zegna, a plataforma onine de colecionadores de arte Artsy, ou o fuseproject.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

1400 empresas já pediram para aderir ao novo lay-off, apoios só a 28 de abril

Antonoaldo Neves, presidente executivo da TAP. Fotografia: Adelino Meireles/Global Imagens

TAP também vai avançar com pedido de layoff

Veículos da GNR durante uma operação stop de sensibilização para o cumprimento do dever geral de isolamento, na Autoestrada A1 nas portagens dos Carvalhos/Grijó no sentido Sul/Norte, Vila Nova de Gaia, 29 de março de 2020. MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Mais de 80 detidos e 1565 estabelecimentos fechados

Second Home procura inquilinos para ‘casa’ de Lisboa