fazedores

Secret City Trails. O peddy-paper chegou ao seu telemóvel

Wendy van Leeuwen é uma das fundadoras da Secret City Trails, instalada em Portugal neste ano.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)
Wendy van Leeuwen é uma das fundadoras da Secret City Trails, instalada em Portugal neste ano. (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Lisboa e Porto são duas das 18 cidades na Europa e na Ásia que podem ser descobertas graças aos jogos criados por fazedoras da Eslováquia e da Holanda

O clássico peddy-paper está a ganhar nova vida graças à Secret City Trails. Esta startup cria jogos temáticos de perguntas e respostas em 17 cidades europeias – entre as quais estão Lisboa e Porto – e ainda em Singapura. Também há conteúdos criados em parceria com empresas como a Time Out, KLM e Cityrama. A Secret City Trails fechou nas últimas semanas uma ronda de financiamento de 150 mil euros e vai lançar os seus jogos em mais cidades nas próximas semanas.

Para participar, os clientes podem juntar-se em equipas com até cinco elementos, comprar o produto na página da startup na internet e, depois do pagamento, abrir o endereço recebido por e-mail. Não é necessário instalar uma aplicação móvel e são gastos, ao todo, 2 Mb de dados. Os participantes vão avançando no jogo conforme as respostas que forem dadas. Se não souberem responder, podem pedir pistas.

“Com o nosso jogo, as pessoas têm acesso a histórias, à arte ou a várias recomendações dos locais sobre as cidades. Queremos preservar a autenticidade destes sítios com o poder dos jogos”, destaca Wendy van Leeuwen, uma das fundadoras.

Os conteúdos deste peddy-paper são assegurados por uma comunidade de 30 pessoas, entre as quais estão guias turísticos certificados e alguns jogadores habituais. Os game builders são pagos depois de o jogo ficar feito e ficam com metade das receitas.

A Secret City Trails começou em 2016 em Amesterdão, mas mudou-se para a Startup Lisboa no início deste ano. Wendy van Leeuwen e Kristina Palovicova, da Eslováquia, trabalhavam para grandes empresas na Holanda e queriam criar experiências diferentes na cidade.

“No início, a ideia era construir rotas do vinho, que seriam guiadas por nós. Mas isso implicaria estarmos sempre presentes no local. Precisávamos de algo mais autónomo.” Frustradas com os grupos de visitas grátis às cidades, Wendy e Kristina começaram a criar os próprios jogos a partir de 2016.

A mudança para Portugal deu-se depois da participação no programa de aceleração The Journey, dedicado a startups do turismo. “Foi aí que encontrámos a nossa primeira parceira, a Cityrama”, empresa do grupo Barraqueiro. Ao longo deste ano, a Time Out e a KLM juntaram-se à lista das parcerias.

A sede desta startup passou para Lisboa também porque “há muita gente talentosa, o custo de vida é mais baixo do que em Amesterdão e Portugal é um país com vontade de ter mais turistas do que a Holanda”.

A ronda de investimento de 150 mil euros vai servir para “desenvolver a nossa solução tecnológica, melhorar a forma como trabalhamos com os game builders e apostar no marketing do nosso produto”.
Com uma equipa de quatro pessoas a tempo, a Secret City Trails vai estar disponível, nas próximas semanas, em cidades como Roma, Veneza, Praga e Copenhaga. O jogo também vai chegar em breve a Sintra e Cascais.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Artur Machado / Global Imagens)

Dinheiro Vivo mantém-se líder digital dos económicos

A presidente da Fundação Calouste Gulbenkian, Isabel Mota, conversa com o presidente e CEO da PTT Exploration and Production (PTTEP), Phongsthorn Thavisin durante a conferência de imprensa de anúncio da venda da Partex à empresa tailandesa, na sede da fundação em Lisboa
TIAGO PETINGA/LUSA

Gulbenkian vende negócio do petróleo e gás. Onde vai investir agora?

Fotografia: D.R.

Deficiência. Peritos aconselham troca de benefícios fiscais por outros apoios

Outros conteúdos GMG
Secret City Trails. O peddy-paper chegou ao seu telemóvel