Investimento

Seedrs. Startups portuguesas obtêm 1,4 milhões de financiamento em 2017

Carlos Silva, cofundador da Seedrs.
Carlos Silva, cofundador da Seedrs.

Em 2017, realizaram-se cinco campanhas portuguesas com sucesso na Seedrs.

As startups portuguesas obtiveram investimento de 1,4 milhões de euros através da Seedrs em 2017. Este montante foi arrecadado em cinco campanhas realizadas na plataforma luso-britânica de equity crowdfunding (financiamento colaborativo em troca de capital) junto de 1200 investidores. Ao todo, a Seedrs gerou investimentos de 140 milhões de euros em 168 campanhas. Foi o melhor ano de sempre para a plataforma que conta com o português Carlos Silva como um dos fundadores.

“O ecossistema português de startups tem evoluído e crescido muito nos últimos anos. Lisboa é um hub tecnológico de renome que atrai alguns dos melhores talentos tecnológicos da Europa e, nos últimos anos, tem sido a anfitriã da tão esperada Web Summit”, destaca Ricardo Brízido, responsável tecnológico da Seedrs, ao Dinheiro Vivo.

Em 2017, realizaram-se cinco campanhas portuguesas com sucesso na Seedrs. A empresa alimentar Wine With Spirit obteve 450 mil euros; a startup que ajuda agricultores a monitorizar atividades no campo Agroop conseguiu 200 mil euros; a Corkbrick, startup portuguesa que desenvolve um sistema de construção por blocos de cortiça, conseguiu 150 mil euros; a startup médica Oncostats conseguiu 250 mil euros; a Homeit teve 250 mil euros de investimento.

No ano anterior, as startups portuguesas tinham arrecadado mais dinheiro – 1,6 milhões de euros, mas também tinham sido realizadas mais campanhas (sete).

Em 2018, as campanhas de financiamento das startups na Seedrs poderão aumentar graças à parceria de coinvestimento com a Portugal Ventures. A Portugal Ventures passará a investir até 1,25 milhões de euros por ronda em campanhas portuguesas realizadas na Seedrs e que procurem um financiamento mínimo de 300 000 euros

Tendências para 2018

Para este ano, a Seedrs antecipa quatro tendências no ecossistema internacional de startups:

  • – A evolução e o interesse contínuo na tecnologia blockchain;
  • – Foco e desenvolvimento da cibersegurança na sequência do aumento de legislação relacionada com a proteção de dados;
  • – Negócios sustentáveis vão continuar a registar uma forte procura com as empresas do sector a inovarem com novas tecnologias e com a consciencialização dos consumidores para o uso de energias renováveis;
  • – Com o pós-Brexit, o Reino Unido irá assistir ao aprofundar do interesse e do investimento na construção de hubs e de capacidades de empreendedorismo em cidades como Manchester, Swansea, Edimburgo, Belfast, entre outras.

Fundada em julho de 2012, a Seedrs já contribuiu para o financiamento de 590 campanhas em mais de 330 milhões de euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
Seedrs. Startups portuguesas obtêm 1,4 milhões de financiamento em 2017