Consumo

Sendeat chega a Braga e Aveiro. Quer faturar um milhão em 2018

José Gramaxo, fundador e CEO da Sendeat. Fotografia: DR
José Gramaxo, fundador e CEO da Sendeat. Fotografia: DR

Startup portuguesa de entrega de refeições quer chegar a mais três destinos até final do ano e entrar ainda no mercado internacional.

A Sendeat, startup portuguesa de entrega de refeições, entrou em mais duas cidades portuguesas. Braga e Aveiro juntam-se a Lisboa e Porto, anunciou a empresa liderada por José Gramaxo esta quinta-feira. Os planos, no entanto, não ficam por aqui. A Sendeat vai entrar em mais três cidades portuguesas – entre as quais, Coimbra – e quer ainda apostar no mercado internacional até ao final do ano. A meta é faturar um milhão de euros no final do ano.

José Gramaxo justifica a escolha destas cidades com a concentração de restaurantes. “Não nos preocupa que sejam cidades muito grandes. O que é preciso é que os restaurantes estejam concentrados em poucos quilómetros, o que nos dá maiores ganhos de escala”, refere ao Dinheiro Vivo o fundador da startup nascida no Porto em 2016.

Com as duas novas cidades, a Sendeat passa a contar com 300 restaurantes parceiros e 200 estafetas em todo o país. Em Aveiro, há uma particularidade: os estafetas apenas andam de bicicleta.

Até ao final do ano, a empresa quer crescer para três outras cidades portuguesas. Coimbra será uma dessas cidades, adianta José Gramaxo. A entrada no mercado internacional está a ser negociada.

A Sendeat compete no mercado de entrega de refeições com plataformas como a Glovo, UberEats e NoMenu. A empresa de José Gramaxo garante as entregas do restaurante até casa no prazo de 30 minutos nas zonas de Lisboa-Centro e Parque das Nações; a Norte, Porto, Matosinhos (em Leça da Palmeira até ao farol), Gaia (Avenida da República e Arrábida), Braga e Aveiro.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Finanças cortam 11% na verba para descongelar carreiras em 2019

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte REUTERS/Alessandro Bianchi

Itália não cede a Bruxelas e mantém orçamento

Fotografia: JOSÉ COELHO/LUSA

Vieira da Silva admite que 600 euros são “ponto de partida”

Outros conteúdos GMG
Sendeat chega a Braga e Aveiro. Quer faturar um milhão em 2018