novos negócios

Sensei. Eles sabem onde passamos mais tempo no supermercado

João Fernandes, Joana Rafael e Vasco Portugal, da Meta, empresa que desenvolve o Sensei. Fotografia: Pedro Rocha/Global Imagens
João Fernandes, Joana Rafael e Vasco Portugal, da Meta, empresa que desenvolve o Sensei. Fotografia: Pedro Rocha/Global Imagens

Tecnologia que nasceu em áreas como a robótica e os carros autónomos permite avaliar padrões de consumo

Atualmente, há muito pouca informação sobre o que se passa quando estamos num supermercado e qual a reação dos clientes aos produtos expostos nas prateleiras. Mas há um produto nascido em Portugal que vai revolucionar tudo isto. Chama-se Sensei e é a primeira grande aposta da Meta Innovation Consulting Group (Meta), sedeada em Lisboa. Tanto pode ser considerado como o Google Analytics dos espaços físicos como a aplicação real do conceito Amazon Go.

“É um produto que permite a recolha de dados em vários sítios num espaço físico. Conseguimos perceber qual o comportamento dos clientes, porque avaliamos a interação deles com o espaço e os produtos em exibição nas prateleiras”, explica Joana Rafael, responsável operacional. Este produto recorre a uma grande quantidade de dados. A partir daí, o software faz a previsão do comportamento dos clientes, graças às tecnologias que habitualmente são usadas em áreas como a robótica ou os carros autónomos.

A Sensei já está a fazer um projeto-piloto com uma loja no centro comercial das Amoreiras e há mais testes em preparação quer em Lisboa quer na zona do Porto. A informação recolhida é confidencial e anónima, garante a startup.

A tecnologia da Sensei também pode servir para otimizar recursos. “Em filas de espera, consigo saber quando é que posso abrir ou fechar caixas de atendimento mediante o número de pessoas que entram e os padrões de compra dentro da loja”, explica João Fernandes, responsável estratégico.

Com um apoio inicial de 100 mil euros do programa de aceleração Fiware – no âmbito da criação de tecnologia para as Smart Cities – e da própria Meta, a Sensei está à procura de novos investidores para a primeira ronda de investimento (pre-seed). “Procuramos smart money, ou seja, investidores com experiência na área do retalho, capital de risco e business angels, todos nacionais”, refere Joana Rafael. Têm mesmo várias reuniões nas últimas semanas neste âmbito.

A aposta desta startup no retalho justifica-se pelo facto de este ser um mercado “cheio de oportunidade – 90% das vendas neste setor são geradas em espaços físicos. Há uma grande oportunidade de maximizar lucros e sentimos, pelos contactos que temos feito, que há uma necessidade real no mercado de uma solução como a nossa”.

De Lisboa para Trinidad
A Meta considera-se uma “incubadora interna de projetos”, nas palavras do CEO, Vasco Portugal. A startup nasceu no final de 2014, numa altura em que Joana Rafael e Vasco Portugal estavam nos EUA e acabaram por escolher Lisboa. “Havia uma falha no mercado a nível tecnológico e surgiu um espaço para nós. Somos o braço tecnológico das empresas”. Com o foco na inovação, a Meta conta com uma equipa de 15 pessoas e que trabalham nos mais diversos projetos.

No ano passado, por exemplo, organizou a maratona Hack for Good, tendo proposto soluções para os problemas na terceira idade; no mesmo ano, começou a colaborar com o Governo de Trinidad e Tobago.

Esta diversidade reflete-se na formação dos líderes da Meta: Joana Rafael está a fazer o doutoramento na área da engenharia e energia, depois de uma pós-graduação em gestão e licenciatura em arquitetura; Vasco Portugal é investigador em novas tecnologias e produtos; João Fernandes é um engenheiro informático que acabou por ir parar à gestão; e Paulo Carreira é professor de software no Instituto Superior Técnico e o investigador responsável pela área de IoT e sistemas ciber-físicos do INESC.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Centeno ladeado pelos representantes dos dois maiores credores de Portugal: Pierre Moscovici (Comissão) e Klaus Regling (ESM). Fotografia: EPA/JULIEN WARNAND

Centeno usa verbas da almofada de segurança para pagar aos credores europeus

O bastonário da Ordem dos Notários, Jorge Batista da Silva. Fotografia: Gonçalo Villaverde/Global Imagens

Ordem dos Notários desmente declarações de Álvaro Santos Pereira

Quinta do Lago

Algarve é o melhor destino de golfe do mundo para 2020

Outros conteúdos GMG
Sensei. Eles sabem onde passamos mais tempo no supermercado