apps

Sherpany. Se é acionista, já pode votar através do smartphone

ng4114389

Tobias Häckermann é acionista de uma grande empresa suíça e sempre teve um problema. Não conseguia perceber como é que, em pleno século XXI, quando se pode comprar casas na internet, não é possível votar online nas assembleias gerais de acionistas. E criou uma empresa para resolver o assunto.

A Sherpany nasceu em 2012 para permitir que os acionistas espalhados pelo mundo possam estar ligados à empresa e votar determinados assuntos sem terem de se deslocar à sede. A receção inicial não foi a melhor. “No início, todos nos disseram que a ideia era de loucos, que era tecnicamente impossível ou que não era sequer legalmente permitido. Mas quando se mostra algo desconhecido, a reação é sempre essa”, conta Mathias Brenner, diretor de Operações da Sherpany.

Três anos depois, a empresa suíça tem dois produtos-bandeira, um escritório na Avenida da Liberdade e um portefólio de clientes que conta com nomes como o da Nestlé ou o da Novartis. Ambos os produtos são aplicações móveis que facilitam a relação entre empresa e acionista. O principal, o Investor Service, é utilizado pelos acionistas, que podem ter acesso a toda a informação publicada pela empresa, desde vídeos a documentos. Um pouco como o Facebook para o mundo empresarial, com a diferença de que, através desta app, os utilizadores podem também votar nas assembleias gerais. E a vantagem de que, ao longo do ano, os acionistas não perdem o contacto com a empresa e estão informados do que ela está a fazer. A outra app, a Boardroom, tem a mesma função, mas destina-se apenas a membros dos conselhos de administração.

Depois de lançadas as aplicações, aterraram por acaso em Portugal, onde, desde 2013, investem 500 mil euros por ano. “Quando começámos, estávamos à procura de programadores em Zurique, exatamente ao mesmo tempo, e na mesma cidade, que a Google. Não tínhamos qualquer hipótese de competir com eles, sendo uma startup desconhecida”, recorda Mathias Brenner. A equipa fundadora começou a procurar nova morada e, no fim, “foi muito simples”. A namorada de Tobias Häckermann é de Cascais e, entre imperiais, sugere: “Porque não Portugal?” O argumento “tem quase sempre bom tempo” foi suficiente para fazerem as malas.

Hoje, o escritório da Avenida da Liberdade, em Lisboa, dá emprego a 17 pessoas, muitos portugueses e muitos estrangeiros, de países como a Escócia, a Alemanha, a Holanda ou a Finlândia. “Foi uma novidade para nós ver o interesse de trabalhadores internacionais por Lisboa. Em pouco tempo, a cidade cresceu muito no ecossistema de startups”, diz o diretor de Operações da Sherpany.

Hoje, a startup suíça conta com 49 clientes do Investor Service e 50 do Boardroom. Além da Nestlé e da Novartis, o serviço convenceu gigantes suíços em todos os sectores: da banca e seguradoras ao sector farmacêutico, passando pelas telecomunicações e pelas tecnológicas. Para este ano, o objetivo é dobrar estes números, contratar mais dez pessoas para a base em Lisboa e chegar a outros mercados. Portugal, claro, está na lista de potenciais mercados, ao lado da Alemanha, da França, da Itália e do Brasil. A única limitação, diz Mathias Brenner, é da perspetiva legal, diferente em cada país. De resto, e até porque a empresa diz não ter competição, não há limites para onde podem chegar.

A missão, agora, é mudar o mundo empresarial, fazendo do acionista embaixador, ao mantê-lo em constante ligação com a empresa. “Os acionistas são-no por alguma razão, porque acreditam nas empresas. Mas as grandes empresas gastam milhões em publicidade e não investem nada para tornar os acionistas embaixadores. Isso é o que queremos mudar e podemos fazê-lo quase sem dinheiro”, conclui Mathias Brenner.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
País precisa de repor, pelo menos, os 150 mil hectares de floresta perdida nos últimos 10 anos. Fotografia: Rodrigo Cabrita

Floresta vale mais de 1,3 mil milhões e está subaproveitada

António Serrano, nos estúdios da TSF. Professor catedrático e político português, foi Ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas do XVIII Governo Constitucional de Portugal.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

António Serrano: “É preciso um choque de gestão no território florestal”

Jean-Claude Juncker. Fotografia: REUTERS / François Lenoir

Dinheiro do plano Juncker para Portugal duplica em apenas um ano

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Sherpany. Se é acionista, já pode votar através do smartphone