fazedores

SimpleTax: A tecnologia que ajuda a poupar nos impostos

ng3544066

Depois de lançar a Modelo3 em Portugal e chegar a mais de 40 mil pessoas, Celso Pinto e a sua equipa rumaram a Londres, onde se propõem fazer exatamente a mesma coisa: desenvolver uma plataforma que permite aos contribuintes aproveitar ao máximo os benefícios fiscais.

Vencedor do Seedcamp Londres – competição do acelerador de startups tecnológicas na Europa -, em setembro de 2012, Celso Pinto lançou a SimpleTax, no Reino Unido, três meses depois. E já atingiu 20 mil utilizadores e um marco de poupança de 2,5 milhões de libras.

“Desenvolvemos a Modelo3 porque reparámos que não havia uma forma fácil de os contribuintes pouparem nos impostos. Através da nossa plataforma, os utilizadores indicam os seus rendimentos e deduções e o software mostra o que poderá estar em falta para atingir outro nível de poupança”, explica Celso Pinto.

Apesar de terem chegado a uma poupança de quase “dois milhões de euros” para os utilizadores em Portugal, o mercado nacional é pequeno, com apenas 130 a 150 mil contribuintes independentes. Assim, a escolha óbvia era a internacionalização: “No Reino Unido, só os freelancers é que têm de entregar a declaração de impostos, mas é algo muito complicado, é como se se tratasse de uma pequena empresa”, diz o empreendedor. Depois de alguns contactos com trabalhadores independentes no país – que no total rondam os 5,4 milhões -, Celso Pinto percebeu que havia “uma oportunidade de mercado” e decidiu falar com o Seedcamp. Foi então convidado para participar numa competição – e acabou por ganhar.

“A aceitação tem sido fantástica”, conta o empreendedor, que tem agora um novo objetivo. “O mercado britânico tem uma particularidade, pois tem um sistema como o Portal das Finanças, o HM Revenues & Customs (HMRC), utilizado por 49,5% dos contribuintes; percentagem igual recorre a contabilistas e existe ainda software comercial para entregar as declarações, utilizado por cerca de 90 mil contribuintes, dos quais 20 mil já estão no SimpleTax. Agora queremos chegar aos utilizadores do HMRC”, diz.

Em Portugal, o objetivo é também continuar a desenvolver a plataforma, depois de o serviço ter sido suspenso este ano. “Não estávamos a conseguir colocar a Modelo3 no patamar que pretendíamos, por isso tomámos essa decisão conscientemente e comunicámo-la a todos os utilizadores”, lamenta o empreendedor, que garante, no entanto, que em 2015 a plataforma já estará novamente ativa. O modelo de negócio também sofreu alterações, já que, no início, a Modelo3 cobrava um valor fixo pela submissão da declaração. “Reparámos que existe uma forma ideal de ter um serviço gratuito e ao mesmo tempo sustentar a empresa”, explica Celso Pinto. A solução está nas recomendações feitas ao utilizador. “Se encontrarmos, por exemplo, um seguro profissional mais barato do que aquele que o contribuinte tem, sugerimos uma troca, e se for aceite nós recebemos uma pequena comissão”, explica o empreendedor, que tem parcerias no Reino Unido com empresas de seguros, bancos, cartões de crédito, fornecedores de eletricidade, telefone, internet e agências de gestão imobiliária.

Com um financiamento total de 440 mil euros de vários investidores (20 mil euros em Portugal e o restante no Reino Unido), a SimpleTax ainda não atingiu o breakeven. “O importante agora é comprovar que é um modelo de negócio que funciona”, defende Celso Pinto. A internacionalização continua a ser um objetivo, mas só em 2017 ou 2018. “Agora temos de consolidar a posição nos países onde estamos”, conclui.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (Fotografia: José Coelho/ Lusa)

Marcelo promulga alterações à lei laboral

Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (Fotografia: José Coelho/ Lusa)

Marcelo promulga alterações à lei laboral

. MÁRIO CRUZ/LUSA

Bases para negociação “ainda longe do necessário”, avisa sindicato

Outros conteúdos GMG
SimpleTax: A tecnologia que ajuda a poupar nos impostos