restauração

Sky Valley. Trocar pratos de som pelos da cozinha

Aos 37 anos, Jorge Rodrigues é um empresário de sucesso. O próximo passo: abrir um restaurante em Barcelona. Fotografia: Artur Machado/Global Imagens
Aos 37 anos, Jorge Rodrigues é um empresário de sucesso. O próximo passo: abrir um restaurante em Barcelona. Fotografia: Artur Machado/Global Imagens

Em quatro anos, Jorge Rodrigues abriu dois restaurantes em Esposende e gere outro, de verão, em Vilamoura. E já está a abrir caminho para Barcelona

O maior orgulho de Jorge Rodrigues é ter 37 anos, empregar 60 pessoas e “não dever dinheiro a ninguém”. Os três restaurantes agora sob sua responsabilidade são uma espécie de reflexo e prolongamento de outra parte da vida que ficou para trás. Depois de 15 anos a viver em Esposende, a pronúncia do norte oculta as origens sulistas, do Montijo, mas isso são meras referências geográficas que se diluem quando o assunto são os locais do mundo por onde já passou – um mês a viver em Marrocos, outro na Bélgica, três temporadas nos Estados Unidos e o mapa da Europa percorrido de lés a lés. E em todos os destinos acompanhou-o um gosto, “visitar restaurantes de grande qualidade”, uma oportunidade que se revelou uma aprendizagem para o futuro.

No passado ficaram 12 anos como disc jockey, embora o domínio da música tivesse continuado a acompanhá-lo – não nas pistas de dança, mas com a abertura de um ginásio em Esposende, há seis anos. Vendeu-o entretanto, mas ainda se orgulha do que continua a ser, garante, o maior ginásio do concelho. Há quatro anos que decidiu trilhar outro caminho, agora na restauração, uma aventura que começou quando ganhou o concurso para a exploração de um espaço no complexo municipal das piscinas de Esposende, junto ao rio Cávado. Aí surgiu, pela sua mão, o Sky Valley, com a comida japonesa como conceito. Jorge Rodrigues revela que o negócio tem vindo sempre a crescer na ordem dos “50% a 60% ao ano e já fatura 1,2 a 1,3 milhões de euros”. Uma refeição por casal ronda os cem euros.

Mas Jorge não é de se ficar pelas vitórias conseguidas, por isso, quando no ano passado chegou outro desafio, não o rejeitou. “Tive um convite do grupo Tivoli para explorar um espaço na marina de Vilamoura durante o verão. Correu bem e neste ano o convite repetiu-se.” Nasceu assim o Sky Valley Vilamoura, uma réplica da unidade de Esposende que abre de 14 de junho a 15 de setembro.

Também já neste ano, em março, o empresário abriu um novo espaço a norte: o Attytude by Sky Valley, a 250 metros do original, mas este dedicado a “comida do mundo”. Só nos primeiros três meses de funcionamento, já permitiu faturar “perto de meio milhão de euros”, com a venda, entre outros, de duas mil pizas e quatro mil hambúrgueres.

Com as 60 pessoas a quem dá emprego – 45 em Esposende e 15 em Vilamoura – e os clientes já conquistados, Jorge Rodrigues estima chegar ao final do ano com uma faturação na ordem dos 2,5 milhões. O sucesso dá argumentos ao empresário para continuar a pensar no crescimento – e já traçou novos planos: a ideia é levar a marca Sky Valley para Barcelona, já no início de 2020. A escolha de Espanha prende-se sobretudo com a “falta de mão-de-obra qualificada por cá”, para conseguir expandir o negócio em Portugal, mas também o facto de encontrar na capital catalã atrativos que se sobrepõem, por exemplo, a Lisboa, como “a quantidade de turistas provenientes dos cruzeiros”. A Catalunha “gera movimento por si só e é um mercado fortíssimo”, justifica.

Quanto a continuar a investir em Portugal, não o atrai tanto por limitações como a “burocracia” e a “lentidão na resposta a projetos”. “A minha geração é o motor da economia deste país, mas estamos sempre a bater nas mesmas barreiras”, critica. “Já era tempo de as autoridades olharem para isso e atuarem no sentido de ser possível gerar mais riqueza local.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Altice sobre compra TVI. “Estado perdeu 200 milhões num ano”

Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Altice sobre compra TVI. “Estado perdeu 200 milhões num ano”

Combustíveis

Petróleo sobe em flecha. “Não haverá impacto perturbador nas nossas algibeiras”

Outros conteúdos GMG
Sky Valley. Trocar pratos de som pelos da cozinha