cidades inteligentes

Estas 12 startups vão melhorar a cidade de Lisboa

Fotografia: DR
Fotografia: DR

Antes da experimentação, entre maio e julho, as startups vão manter reuniões com parceiros e preparar-se tecnicamente para os testes.

A segunda edição do programa de dados abertos Smart Open Lisboa (SOL) vai entrar na fase de experimentação. Já são conhecidas as 12 startups que entre julho e outubro vão testar as soluções para a capital portuguesa ao abrigo deste programa, liderado pela Câmara Municipal de Lisboa. Antes disso, entre maio e julho, vão manter reuniões com parceiros e preparar-se tecnicamente para os testes.

Mobilidade, envolvimento da comunidade (citizen engagement), turismo e cultura e sustentabilidade serão, tal como na primeira edição, as quatro áreas de interesse do SOL. Os vencedores serão anunciados a 12 de outubro.

Conheça abaixo as 12 startups selecionadas:

SOSPlus – pretende evitar que as filas de trânsito nas cidades impeçam o salvamento de vidas, ao desenvolver um dispositivo para os carros que informa quando uma ambulância ou um veículo de emergência está a caminho. Desta forma, os condutores podem desviar-se mais cedo;

AppyFans – aplicação com assistente pessoal de compras nas lojas, restaurantes e supermercados favoritos dos consumidores, que recebem avisos das melhores ofertas e eventos;

WETEST Urbego & R!skly – esta startup combina a ferramenta que ajuda os designers urbanos a promover a mobilidade da WETEST com a plataforma de análise de dados de segurança da R!skly;

Magnarpermite encomendar almoços para empresas na internet junto de restaurantes locais. As ementas são escolhidas de manhã numa aplicação. Esta solução também permite aos maios idosos encomendar um almoço a partir de casa;

KLC – serviço de mobilidade partilhada para pessoas e empresas que recorre a carros elétricos baseado nos quilómetros previstos e nas rotas realmente necessárias;

Trigger.Systems – plataforma que controla sistemas de rega de forma automática e mais eficiente criada pela Rigger, empresa com sede no Fundão;

We Openly – plataforma de dados públicos para cidadãos e instituições governamentais interagirem diariamente de forma eficiente. Permite aos cidadãos seguir os trabalhos dos seus representantes;

Tickeycompra de bilhetes de transportes através do smartphone ou de outros dispositivos e que também permite calcular a melhor rota;

1% Club Civic Engagement Platform — 1%club – plataforma que pretende promover o financiamento colaborativo e organização de projetos, mobilizar redes de contactos e gerir voluntários em projetos para cidadãos, empresas e municípios;

Ürbik – ligação entre um smartphone e um posto de informação física que permite acesso a conteúdos sobre uma determinada área. Esta ferramenta destina-se sobretudo aos turistas,

Green By Web – conjunto de soluções inteligentes para gerir espaços verdes nas cidades e que conta com o Aquamote, um dispositivo que controla a irrigação e que pode ser ativado ou desativado através da rede GPRS;

Connect Robotics – entrega de produtos através de drones e que pode ser utilizada por distribuidores logísticos, serviços postais e empresas de distribuição de comida ou medicamentos. Ao evitar o trânsito, permite aumentar a produtividade e poupar tempo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Orçamento suplementar mantém despesa de 704 milhões de euros para bancos falidos

Jorge Moreira da Silva, ex-ministro do ambiente

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Acordo PS-PSD. “Ninguém gosta de um planalto ideológico”

Mario Draghi, presidente do BCE. Fotografia: Reuters

Covid19. “Bazuca financeira tem de fazer mira à economia, desigualdades e clima”

Estas 12 startups vão melhorar a cidade de Lisboa