cidades inteligentes

Smart Open Lisboa regressa com mais parceiros e desafios

Fotografia: Paulo Alexandrino / Global Imagens)
Fotografia: Paulo Alexandrino / Global Imagens)

Mobilidade, envolvimento da comunidade, turismo e cultura e sustentabilidade serão, tal como na primeira edição, as quatro áreas de interesse

O Smart Open Lisboa (SOL) está de regresso. O programa de dados abertos da capital portuguesa entra na segunda edição com mais parceiros, mais tempo para experimentar soluções e vai trabalhar com mais startups e mais maduras. As candidaturas estão abertas desde esta segunda-feira a partir da página oficial.

“O SOL junta a disponibilização de dados abertos e promoção de política geral da câmara, com o estímulo para gerar mais inovação e mais empreendedores além de transformar a cidade num espaço de experimentação”, assinalou o vice-presidente da Câmara de Lisboa, Duarte Cordeiro, no evento de apresentação que decorreu na Sala do Arquivo.

Mobilidade, envolvimento da comunidade (citizen engagement), turismo e cultura e sustentabilidade serão, tal como na primeira edição, as quatro áreas de interesse do SOL.

Além da Beta-i, PT, Cisco e Turismo de Portugal, a segunda edição conta com mais parceiros. Trata-se da EPAL, da Masai, da Grow – unidade dedicada à mobilidade da Brisa – e o consórcio europeu Sharing Cities, que coloca Lisboa numa candidatura conjunta com as autarquias de Londres e Milão em programas comunitários que pretendem tornar as cidades mais inteligentes e sustentáveis.

Para esta edição, o SOL procura “startups em estágio mais avançado” e que apresentem uma “proposta de produto mínimo viável para implementação rápida de soluções”, assinalou Manuel Tânger, cofundador e responsável de inovação da Beta-i.

As candidaturas estão abertas até 23 de abril. A partir daí, serão selecionadas entre 40 e 50 startups para o Startup Challenge, que substitui a hackaton (maratona de programação) realizada na primeira edição.

Depois do Startup Challenge, entre 15 e 20 startups serão selecionadas para o bootcamp, que vai decorrer entre 8 e 12 de maio. Após esta fase serão escolhidas até 15 startups, que vão ter dois meses de preparação, com os parceiros e com a Beta-i, antes da fase de experimentação, que arranca a 12 de julho e que vai terminar a 11 de outubro, véspera do dia de demonstração (Demo Day).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Franceses, britânicos e italianos foram os que mais pediram o estatuto de residente não habitual. Fotografia: D.R.

Residentes não habituais aumentaram 83% no último ano e meio

O turismo está a impulsionar o investimento hoteleiro no país. Fotografia: D.R.

Vão abrir portas mais 44 hotéis em 2019

António Pires de Lima

Nova plataforma quer colocar gestores experientes ao serviço das empresas

Outros conteúdos GMG
Smart Open Lisboa regressa com mais parceiros e desafios