cidades inteligentes

Smart Open Lisboa regressa com mais parceiros e desafios

Fotografia: Paulo Alexandrino/ Global Imagens
Fotografia: Paulo Alexandrino/ Global Imagens

Mobilidade, envolvimento da comunidade, turismo e cultura e sustentabilidade serão, tal como na primeira edição, as quatro áreas de interesse

O Smart Open Lisboa (SOL) está de regresso. O programa de dados abertos da capital portuguesa entra na segunda edição com mais parceiros, mais tempo para experimentar soluções e vai trabalhar com mais startups e mais maduras. As candidaturas estão abertas desde esta segunda-feira a partir da página oficial.

“O SOL junta a disponibilização de dados abertos e promoção de política geral da câmara, com o estímulo para gerar mais inovação e mais empreendedores além de transformar a cidade num espaço de experimentação”, assinalou o vice-presidente da Câmara de Lisboa, Duarte Cordeiro, no evento de apresentação que decorreu na Sala do Arquivo.

Mobilidade, envolvimento da comunidade (citizen engagement), turismo e cultura e sustentabilidade serão, tal como na primeira edição, as quatro áreas de interesse do SOL.

Além da Beta-i, PT, Cisco e Turismo de Portugal, a segunda edição conta com mais parceiros. Trata-se da EPAL, da Masai, da Grow – unidade dedicada à mobilidade da Brisa – e o consórcio europeu Sharing Cities, que coloca Lisboa numa candidatura conjunta com as autarquias de Londres e Milão em programas comunitários que pretendem tornar as cidades mais inteligentes e sustentáveis.

Para esta edição, o SOL procura “startups em estágio mais avançado” e que apresentem uma “proposta de produto mínimo viável para implementação rápida de soluções”, assinalou Manuel Tânger, cofundador e responsável de inovação da Beta-i.

As candidaturas estão abertas até 23 de abril. A partir daí, serão selecionadas entre 40 e 50 startups para o Startup Challenge, que substitui a hackaton (maratona de programação) realizada na primeira edição.

Depois do Startup Challenge, entre 15 e 20 startups serão selecionadas para o bootcamp, que vai decorrer entre 8 e 12 de maio. Após esta fase serão escolhidas até 15 startups, que vão ter dois meses de preparação, com os parceiros e com a Beta-i, antes da fase de experimentação, que arranca a 12 de julho e que vai terminar a 11 de outubro, véspera do dia de demonstração (Demo Day).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Paulo Azevedo, Chairman e Co-CEO da Sonae, e Ângelo Paupério, Co-CEO da Sonae.

(Leonel de Castro / Global Imagens)

Sonae SPGS com lucros de 200 milhões até setembro

Veículos estacionados no porto de Setúbal, durante a greve dos estivadores precários, em Setúbal, 14 de novembro de 2018. Em causa está um diferendo laboral desencadeado por um grupo de estivadores precários e a empresa de trabalho portuário Operestiva, que afeta várias empresas, entre as quais a Autoeuropa. ANDRÉ AREIAS/LUSA

Setúbal: Operestiva disposta a negociar se estivadores voltarem ao trabalho

Primeira-ministra Theresa May, 14 de novembro de 2018. EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Brexit: May consegue apoio do Governo e aprova rascunho do acordo final

Outros conteúdos GMG
Smart Open Lisboa regressa com mais parceiros e desafios