empreendedorismo social

SPEAK. Ensinar línguas e ter um impacto social em nove cidades diferentes

Pedro Tunes, posa em estúdio com um globo terrestre.  É um dos responsáveis do Speak:  um programa linguístico e cultural em que qualquer pessoa se pode inscrever para aprender ou ensinar uma língua ou cultura, incluindo a do país onde reside. Fotografia: Reinaldo Rodrigues/Global Imagens
Pedro Tunes, posa em estúdio com um globo terrestre. É um dos responsáveis do Speak: um programa linguístico e cultural em que qualquer pessoa se pode inscrever para aprender ou ensinar uma língua ou cultura, incluindo a do país onde reside. Fotografia: Reinaldo Rodrigues/Global Imagens

Projeto fundado em Leiria em 2014 promove cursos em 17 línguas em três países da Europa e obteve financiamento de 500 mil euros

Promover e partilhar, de modo informal, línguas e culturas por toda a Europa. Este é o principal objetivo do SPEAK, projeto fundado em 2014 em Leiria por Hugo Menino Aguiar e que já está presente em sete cidades portuguesas, em Turim (Itália) e em Berlim (Alemanha). Para quebrar barreiras entre locais e migrantes, o SPEAK conta com cursos e eventos.

cursos de 17 línguas diferentes, com a duração de três meses, e cada sessão dura hora e meia, em horário pós-laboral. “A ideia é fazer amigos e que as pessoas possam conversar à vontade”, adianta Pedro Tunes, responsável de operações do SPEAK. Estão abertas as inscrições para novos cursos, que custam 25 euros. Português, inglês, espanhol, francês, alemão, italiano, árabe, mandarim e russo são alguns dos idiomas. As inscrições são feitas exclusivamente na internet. Até ao fim do ano, o SPEAK espera ter formado mais de duas mil pessoas e obter receitas de 66 mil euros.

cursos com bases – apenas se fala na língua que está a ser ensinada – e sem bases – são usadas outras línguas para aprender o básico. As sessões são geridas por duas pessoas (a que a empresa chama buddies), que partilham a língua e a cultura do país. É um sistema voluntário e a filtragem é feita conforme a motivação.

“Não é necessária formação de base”, diz Pedro Tunes, responsável de operações e um dos sócios. Para quem tenha dificuldades em pagar o curso, o projeto SPEAK ajuda as pessoas com mais necessidades. Os eventos, como speed dating, quizzes e piqueniques, são flexíveis e estão abertos a toda a comunidade, quer frequentem ou não os cursos.

Quer os cursos quer os eventos são realizados em espaços cedidos por dois tipos de parceiros: organizações com vertente social e que cedem espaço para dar cursos; bares, sobretudo em Lisboa, que cedem hora e meia sobretudo para os eventos

O SPEAK começou em 2014 depois de Hugo Menino Aguiar ter estado a trabalhar na Google, em Dublin (Irlanda). Apesar de falar a língua e de ter boas condições financeiras, tornou-se difícil criar uma rede de contactos. Foi aí que Hugo pensou em casos de pessoas com dificuldades financeiras e de integração. Enquanto participava na associação Fazer Avançar, decidiu fundar, em Leiria, o SPEAK.

Mais tarde, além de Pedro Tunes e Hugo Menino Aguiar, juntou-se à equipa de sócios Mariana Brilhante, responsável de marketing. Os três conhecem-se há vários anos, graças às formações em empreendedorismo social.

Este ano ficou marcado por um investimento de 500 mil euros em fase seed (semente), “graças a um conjunto de investidores de impacto e de fundações portuguesas e estrangeiras. Desde 2014 estivemos a crescer de forma lenta para aquilo que queremos para a nossa solução. Temos a ambição de resolver um problema que há na Europa e ajudar os migrantes.” Fundo Bem Comum, Fundação Calouste Gulbenkian e a fundação italiana CRT foram as três principais entidades que participaram neste financiamento.

Com o financiamento de impacto, que junta o retorno financeiro com o efeito gerado na sociedade, o SPEAK tem objetivos específicos até 2020, como “estar nas principais capitais europeias” com o modelo tradicional, que será um “caso de estudo” para um modelo de franchising, que poderá ser estendido às restantes cidades europeias.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Emmanuel Macron, Pedro Sanchez, Angela Merkel, Donald Tusk, Jair Bolsonaro e Mauricio no G20 de Osaka, Japão, 29 de junho de 2019. Fotografia: REUTERS/Jorge Silva

Vírus da guerra comercial já contamina acordo entre Europa e Mercosul

Fotografia: Armando Babani/ EPA.

Sindicato do pessoal de voo lamenta “não atuação do Governo” na Ryanair

O presidente da China, Xi Jinping, fez uma visita de Estado a Portugal no final de 2018. Fotografia: Filipe Amorim/Global Imagens

Angola e China arrastam exportações portuguesas. Alemanha e Itália ainda não

Outros conteúdos GMG
SPEAK. Ensinar línguas e ter um impacto social em nove cidades diferentes