Web Summit

Startup portuguesa DreamShaper fecha ronda de dois milhões de euros

Dreamshaper. Fotografia: D.R.
Dreamshaper. Fotografia: D.R.

A empresa que tem uma plataforma de aprendizagem levantou uma ronda de financiamento de dois milhões de euros.

As competências sociais e emocionais são cada vez mais uma mais-valia no mundo do trabalho. As escolas têm um papel importante no desenvolvimento destas competências nos seus alunos, futuros profissionais. Mas isso obriga que o ensino se adapte a esta nova realidade. E é nesse contexto que surge a startup DreamShaper.

A empresa, fundada por três portugueses, anunciou esta quinta-feira, 7 de novembro, a conclusão de uma ronda de investimento de série A, no valor de dois milhões de euros. Esta ronda foi liderada pela capital de risco portuguesa Alpac Capital. Com este montante, a startup pretende consolidar a sua presença no mercado brasileiro, onde está presente desde 2015, e acelerar a sua expansão na Europa, de acordo com o comunicado.

Através do Project Based Learning, a startup apoia escolas e professores a implementar e melhorar os métodos de trabalho de forma a envolver os estudantes e promover o desenvolvimento das suas competências sociais e emocionais e que podem ser associadas ao mundo do trabalho.

“A plataforma é desenhada para estudantes para que passam por um conjunto de desafios” diz em comunicado João Borges, co-fundador e CEO da DreamShaper. “Com o apoio de recursos pedagógicos, é dado aos estudantes autonomia e motivação para trabalhar nos seus projetos, em colaboração com os seus colegas. Por outro lado, motiva os professores a guiar os estudantes e a dar-lhes um feedback”, acrescenta.

A DreamShaper chegou ao sistema educativo brasileiro em 2015, geografia onde a empresa cresceu para 700 mil euros de receita anual. No ano passado, a empresa decidiu começar a explorar o mercado europeu, tendo já parcerias com escolas e universidades nacionais. Alargar para outros países europeus é agora um dos objetivos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Regresso ao trabalho - ilustração

O mundo do trabalho mudou. A saúde é agora lei

José Theotónio, CEO do Grupo Pestana.
(Diana Quintela / Global Imagens)

José Theotónio: “Haverá voos mas não virão logo com turistas para o Algarve”

Fotografia: D.R.

Teletrabalho continua obrigatório para grupos de risco e pais sem escola

Startup portuguesa DreamShaper fecha ronda de dois milhões de euros