publicidade

Startup russa quer pôr anúncios no espaço. Pepsi está interessada

A StartRocket quer pôr mensagens publicitárias no espaço
(Imagem: StartRocket)
A StartRocket quer pôr mensagens publicitárias no espaço (Imagem: StartRocket)

A marca está a considerar colaborar com a StartRocket para fazer publicidade à sua bebida energética Adrenaline Rush.

Todos estamos habituados aos pequenos aviões que passam na praia com mensagens publicitárias atreladas. A startup russa StartRocket quer explorar esse conceito, mas levá-lo ainda mais longe. A ideia é lançar pequenos cubos para o espaço e fazê-los brilhar com anúncios para que, cá em baixo, durante a noite, nós possamos ver marcas, junto às estrelas.

Vlad Sitnikov é o nome por detrás do projeto. Para a concretização do conceito, o fazedor russo pretende usar CubeSats, satélites em miniatura em forma de cubos, equipados com uma lona refletora, e fazê-los brilhar em constelação, formando anúncios publicitários ou mensagens informativas.

Para já, a ideia ainda não passou do papel. No início do ano, a Wired avançava que Vlad Sitnikov estava a estabelecer diversas parcerias de forma a fazer o primeiro lançamento teste durante a primavera de 2019, ainda sem entrar no espaço, sobrevoando apenas os céus da Rússia. Se tudo funcionasse como planeado, o sistema estaria em órbita em 2021.

Só que ainda antes disso, a startup russa pode já ter segurado o seu primeiro grande cliente. A Pepsi confirmou à Futurism que está a colaborar com a StartRocket para lançar o seu primeiro anúncio espacial. “Acreditamos no potencial da StartRocket,” indicou em email Olga Mangova, porta-voz da Pepsi na Rússia. “Outdoors espaciais são a revolução no mercado das comunicações. E é por isso que, em nome da Adrenaline Rush – uma bebida energética não alcoólica da PepsiCo Rússia, que é uma marca inovadora, que apoia tudo o que é novo e disruptivo, – concordámos com esta parceria”.

Contudo, por toda a internet, o projeto gerou uma onda de críticas. Logo no vídeo de apresentação, que Vlad Sitnikov publicou na plataforma Vimeo, um utilizador assegurava que iria boicotar qualquer marca que aderisse à ideia. Não foi o único a mostrar o seu desagrado. “Não serve qualquer propósito para além da publicidade em si”, indicava à NBC o engenheiro aerospacial John Crassidis. “Não sou, de todo, fã.” A opinião da especialista em lei espacial Joanne Gabrynowicz segue na mesma direção. “Os cientistas dirão que as luzes refletidas interferão com a capacidade de estudar o céu. E se interfere com a ciência, é prejudicial.” À publicação Astronomy, o astrónomo Patrick Seitzer assegurava que iria lutar contra esta ideia. “Vamos sempre defender um céu noturno livre deste tipo de atividade e acessível a toda a humanidade.”

Não é a primeira vez que uma empresa pretende colocar anúncios no espaço. Nos anos 90, a Humanity Star já tinha tido a mesma ideia, contudo não conseguiu financiamento suficiente para a pôr em prática. A StartRocket está atualmente também à procura de investimento, assegurando que 20.000 dólares chegarão para comprar oito horas de publicidade no espaço.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
trabalho emprego comissão europeia

Bruxelas quer criar 5 novos impostos e dar 15 mil milhões de euros a Portugal

Vieira da Silva, ex-ministro do Trabalho e Segurança Social. 
Fotografia: Natacha Cardoso / Global Imagens

Governo deve reforçar apoios sociais e aos jovens e rever o lay-off

covid 19 portugal casos coronavirus DGS

1356 mortos e 31292 casos confirmados de covid-19 em Portugal

Startup russa quer pôr anúncios no espaço. Pepsi está interessada