internacionalização

Startups portuguesas à caça de investidores em Barcelona

O 4 Years From Now é o evento dedicado às startups do Mobile World Congress, também está a decorrer na cidade de Barcelona e conta com perto de 20 mil participantes ao longo de três dias. Fotografia:
REUTERS/Yves Herman
O 4 Years From Now é o evento dedicado às startups do Mobile World Congress, também está a decorrer na cidade de Barcelona e conta com perto de 20 mil participantes ao longo de três dias. Fotografia: REUTERS/Yves Herman

O Dinheiro Vivo acompanhou a missão da Startup Portugal no evento 4 Years From Now, o evento paralelo ao Mobile World Congress.

A Startup Portugal está pela primeira vez no 4 Years From Now (4YFN), o evento do Mobile World Congress dedicado às novas empresas. Há dois balcões de cartão no centro de exposições do 4YFN, em Barcelona, para ajudar Aptoide, CloudComputing.pt, Farfetch, InifiniteFoundry, Loqr, Mapidea e MyDidimo a caçarem investidores. Além do apoio da Startup Portugal, o Dinheiro Vivo testemunhou a presença do delegado local da AICEP no evento, e com vontade de ajudar a estabelecer potenciais parcerias com investidores.

A Loqr, que tem uma solução contra as fraudes informáticas, contou com a ajuda da AICEP. “Espanha é um dos mercados que gostávamos de abrir e onde temos maior facilidade. Durante o evento, contámos com a ajuda do delegado da AICEP para marcar uma reunião e, quem sabe, conseguir uma parceria com um dos principais bancos do país”, adianta Tânia Barros, da equipa da startup sedeada em Braga e que está pela primeira vez no 4YFN.

Falámos com Tânia Barros num dos poucos momentos de descanso que as startups têm em eventos como este. A Startup Portugal, propositadamente, apenas pediu dois balcões na feira para a comitiva. O objetivo é que os fazedores estejam constantemente à procura de potenciais parcerias. “Mais do que investir nos stands, é preciso apostar nos contactos potenciais com empresas”, destaca Marta Sousa Monteiro, o elemento da Startup Portugal que faz a ponte entre participantes e empresas.

A CloudComputing.pt é outra das startups estreante em Barcelona e nas missões de internacionalização da Startup Portugal. “Como apostamos no mercado da mobilidade empresarial e os trabalhadores têm cada vez mais smartphones, faz sentido para nós apostar no maior evento do mercado nesta área”, refere Ricardo Martins. A startup tem beneficiado nos últimos três anos da “crescente preocupação das empresas com a segurança dos dispositivos utilizados pelos trabalhadores”.

No 4YFN, o espaço da Startup Portugal é vizinho da área da Google, uma das zonas mais movimentadas do certamente. Marta Sousa Monteiro destaca que ao longo dos dias se tem notado que “há muitos investidores, de todas as áreas, e muito interesse em apostarem no mercado português”.

Mas as startups não estão só à procura de clientes. A Didimo está a ter “encontros estratégicos com potenciais clientes nas áreas do retalho, entretenimento e na área móvel”. A empresa que desenvolveu uma tecnologia que permite a qualquer pessoa criar um avatar que fala e se move num mundo virtual também está a “estabelecer parcerias com empresas que foram contactadas anteriormente” antes do evento e ainda procura novos trabalhadores, adianta Verónica Orvalho.

Também na comitiva, mas com um stand próprio encontramos a Hype Labs, a participar pela segunda vez neste evento. A startup que, graças ao sistema SDK, permite que qualquer dispositivo possa comunicar mesmo sem ter rede, está a promover o produto neste mercado, depois de, em 2017, ter estado em Barcelona para conhecer o ambiente, nas palavras de Bruno Fernandes.

A presença de Portugal em Barcelona não se esgota na feira. A Startup Portugal, por exemplo, organizou um jantar na terça-feira com investidores espanhóis para abrir a porta à participação em futuras rondas de financiamento destas startups.

A InfiniteFoundry chegou a Barcelona focada nos encontros com algumas das principais marcas automóveis. “Aproveitámos o evento para ter reuniões com a Seat e identificámos uma oportunidade que estamos a trabalhar com a Daimler. Esta oportunidade está relacionada com a gestão de comunicação de problemas entre cliente, concessionário e fabricante”, adianta André Godinho Luz. O grupo que detém a Mercedes “procura um sistema inteligente que deteta cedo e que avisa a oficina para a reparação correta. Desta forma, há menos mensagens trocadas e a reparação é mais rápida”, completa este fazedor.

A Startup Portugal, depois do 4YFN, já está a preparar a ida ao festival South by Southwest, que vai decorrer na próxima semana em São Francisco. As startups que integrarem a comitiva portuguesa vão ter um desconto na inscrição, apoio logístico e acesso mais fácil a investidores.

*O jornalista viajou a convite da Mercedes Portugal.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
REUTERS/Rafael Marchante

Centeno diz que Estado poupa 100 milhões com pagamento antecipado ao FMI

Theresa May, primeira-ministra britânica, fala no parlamento britânico. 10 de dezembro de 2018. REUTERS

Brexit: May admite que risco de sair sem acordo está a aumentar

REUTERS/Eloy Alonso

CTG substitui membros do Conselho de Supervisão na EDP

Outros conteúdos GMG
Startups portuguesas à caça de investidores em Barcelona