Tech

Startups vão poder testar tecnologia nas cidades. Cascais dá o mote

Foto: Reinaldo Rodrigues/Global Imagens
Foto: Reinaldo Rodrigues/Global Imagens

Turismo, educação e mar são os sectores prioritários para o município de Cascais. Rede de cidades será formalizada em julho

Cascais vai ser o ponto de partida para a rede nacional de cidades experimentais. Esta plataforma vai servir para as startups poderem testar as suas tecnologias em contexto real. O anúncio foi feito esta segunda-feira por Miguel Muñoz Duarte, da Nova SBE, na Casa das Histórias Paula Rego, em Casscais.

“A rede nacional de cidades experimentais nasce de uma necessidade que tivemos nas anteriores edições (do Big Smart Cities). As startups queriam começar a testar em ambiente real e não conseguiam, porque não é fácil falar com as câmaras e testar tecnologias em fase embrionária. Criámos um ponto de encontro onde as startups encontraram municípios para experimentarem essas tecnologias”, explicou Miguel Muñoz Duarte aos jornalistas.

A rede ainda está a ganhar forma e será formalmente apresentada em julho, durante a final da edição de 2017 do Big Smart Cities. Apesar de existir “uma série de municípios interessados”, ainda é necessário abrir formalmente as inscrições. Para já, as 20 startups finalistas do Big Smart Cities de 2017 vão ser as primeiras a ter acesso a esta rede. Posteriormente, esta plataforma será aberta a outros projetos.

Como cidade fundadora, Cascais já tem algumas áreas de interesse para a experimentação. Turismo, educação e mar são os sectores prioritários, no entender de Miguel Pinto Luz, vice-presidente do município cascalense.

A edição de 2017 do Big Smart Cities, organizada pela Nova SBE em parceria com a Vodafone e a Ericsson, foi apresentada esta segunda-feira e vai um total de 20 mil euros para os melhores projetos que contribuam para tornar as cidades mais inteligentes.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Donald_Trump_(28760020353)

100 dias de Trump. Afinal, o que mudou?

António Costa. Fotografia: ESTELA SILVA/LUSA

OCDE alerta para IDE que pouco ou nada produz

Rogério Carapuça, presidente da APDC

Fotografia: Reinaldo Rodrigues/GI

Rogério Carapuça: “A competitividade das empresas não depende da Web Summit”

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Startups vão poder testar tecnologia nas cidades. Cascais dá o mote