Stockmarket já não é só moda. Agora também vende livros, música e informática

ng3105595

A feira onde é possível comprar roupa e acessórios com descontos até 80% está de volta com uma novidade: agora também é possível comprar livros, música e informática.

Assim, o armazém 23 da Matinha, em Lisboa, vai receber, de 6 a 8 de dezembro, a 22.ª edição do Stockmarket, que este ano terá, pela primeira vez o Outbook. Objetivo? “alargar o âmbito do Stockmarket à área da literatura, da música e do conhecimento”, justifica a promotora da feira.

Nesta 1.ª edição do Outbook haverá livros das editoras ASA, Bizâncio, Camões e Companhia, Casa das Letras, Chá das 5, Caminho, Cavalo de Ferro, Dom Quixote, Esfera dos Livros, Estrela Polar, Guerra e Paz, Horizonte, Instituto Piaget, Lua de Papel, Marcador, Ministério dos Livros, Nexo, Objetiva, Oficina do Livro, Planeta, Plátano, Presença, Principia, Quebra Nozes, Saída de Emergência, Self, Teorema e Verso de Kapa.

Serão ainda apresentados livros de todas as temáticas, BD, livros infantis, romances, livros educativos, thrillers, auto-conhecimento, desenvolvimento pessoal e livros de actualidade.

Para os mais pequenos existirão ainda materiais didáticos, jogos pedagógicos, puzzles, jogos de família e materiais de pintura. Com as marcas AMOS, Edushape, Edicare, Educamente e Larsen.

No Outbook haverá também uma programação com concertos durante os três dias que incluem jazz, a bossa nova, música do oriente e de África. E com a participação de músicos já consagrados e novos talentos.

Além desta novidade, o Stockmarket mantém a campanha solidária ” É preciso ter lata “, onde os visitantes que levarem comida em lata, ou ensacada, no valor de, pelo menos 3euro, têm acesso exclusivamente no sábado (das 13h às 15h e das 19h às 21h) e no domingo (das 13h
às 15h e das 17h às 19h).
A recolha reverte a favor da instituição Citador de Sonhos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

(Rui Oliveira / Global Imagens)

Quota de mercado dos carros a gasóleo cai para mínimos de 2003

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Stockmarket já não é só moda. Agora também vende livros, música e informática