Web Summit - DV Media Partner

SurfHolidays. “Participantes da Surf Summit não estão aqui para trabalhar”

Nicky Kelly Ceo da Surfholidays
( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )
Nicky Kelly Ceo da Surfholidays ( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

A startup irlandesa organiza, pelo segundo ano consecutivo, o primeiro evento oficial da Web Summit, na Ericeira.

É a startup aos comandos da Surf Summit. Fundada e dirigida pelo irlandês Nicky Kelly, é este fazedor que, na Ericeira, orienta e acompanha, pelo segundo ano consecutivo, os participantes do primeiro evento oficial da Web Summit. “Metade dos que aqui participam nestes dias nunca fez surf, vêm porque acham graça e querem experimentar, antes de seguirem para o evento maior, em Lisboa,” conta ao Dinheiro Vivo.

Contudo, o trabalho fica de fora das interações dos participantes na Surf Summit. “Eles aqui querem divertir-se, aproveitar. Claro que há pessoas de startups e investidores, tal como empresários e outros. E fala-se da Web Summit e dos próximos dias. Mas o registo é informal. Ninguém está aqui para trabalhar,” assegura Nicky Kelly.

A SurfHolidays é uma startup irlandesa, baseada em Dublin, fundada em 2009. “Somos um marketplace de surf. Quem tiver uma escola ou um hostel relacionado com este desporto pode inscrever-se na nossa plataforma. Por outro lado, quem estiver à procura destes serviços, também pode passar por lá,” explica o fazedor. A empresa está presente em 180 cidades de cerca de 40 países, incluindo a Ericeira, onde tem um escritório virtual, Lisboa e Cascais. Há mais de duas mil escolas e alojamentos registados.

Para além do negócio principal de marketplace, a SurfHoliday atua com a mesma marca como organizadora de eventos relacionados com surf, serviço que está a fornecer por estes dias à Surf Summit. “Conhecemos este negócio muito bem e fazemos muitos contactos, por isso, há grupos e empresas que nos contactam para fazer este tipo de programas,” conta Nicky Kelly.

Da edição de 2016 para a de este ano, destaca como principal diferença o aumento do número de atividades. “Este ano há uma oferta maior. Não nos limitámos às aulas de surf, paddel e montanhismo. Temos também a yoga, o hiking e a fotografia de surf, com Ricardo Bravo, um dos fotógrafos portugueses mais reconhecidos do meio.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

1400 empresas já pediram para aderir ao novo lay-off, apoios só a 28 de abril

Antonoaldo Neves, presidente executivo da TAP. Fotografia: Adelino Meireles/Global Imagens

TAP também vai avançar com pedido de layoff

Veículos da GNR durante uma operação stop de sensibilização para o cumprimento do dever geral de isolamento, na Autoestrada A1 nas portagens dos Carvalhos/Grijó no sentido Sul/Norte, Vila Nova de Gaia, 29 de março de 2020. MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Mais de 80 detidos e 1565 estabelecimentos fechados

SurfHolidays. “Participantes da Surf Summit não estão aqui para trabalhar”