novos negócios

Talanti. O talento ao serviço dos dias marcantes

Beatriz Cardoso fundou a Talanti em abril de 2017. Fotografia: Carlos Vidigal Jr/Direitos Reservados
Beatriz Cardoso fundou a Talanti em abril de 2017. Fotografia: Carlos Vidigal Jr/Direitos Reservados

Numa data importante, um presente personalizado pode ser a resposta. A Talanti é uma startup portuguesa que tem várias soluções para prendas.

Amigos e familiares juntam-se à mesa. Falam sobre uma pessoa que lhes é querida. Contam histórias marcantes e episódios especiais que preenchem a vida dela. Quase como que por detrás do pano há alguém a ouvir. É uma contadora de histórias que tem como missão colocar no papel um texto inspirado nessa pessoa. No dia do aniversário, o presente é revelado: uma história de vida, narrada ao vivo e um livro para que o aniversariante possa mais tarde recordar.

Oferecer um presente personalizado é uma das apostas possíveis para muitos que querem assinalar uma data especial. A Talanti é uma startup que oferece várias possibilidades para presentes artísticos personalizados, desde histórias de vida, passando por ilustrações, banda desenhada e música.

“Tirei o curso de Gestão. Trabalhava em marketing e comecei a perceber que tinha muitos amigos na área das artes e que gostaria de ajudá-los a divulgar o seu trabalho. No fundo, é um trabalho que eles muitas vezes não gostam de fazer. Por outro lado, comecei a aperceber-me de que as pessoas hoje em dia têm menos tempo para se dedicarem aos presentes que querem dar às pessoas da sua vida. Pensei que seria bom tentar juntar estas duas coisas e criar o conceito de presentes artísticos personalizados e ajudar as pessoas a darem prendas mais cuidadas, originais e personalizadas. Foi daí que nasceu a ideia do Talanti e presentes artísticos. Começámos com algumas categorias. Estamos sempre a adicionar novas”, conta Beatriz Cardoso, fundadora deste projeto.

Atualmente são 13 as categorias de prendas. Todos os criadores são portugueses e vivem em Portugal. “Para algumas categorias temos vários artistas; para outras só um. Depende também da procura e da originalidade da ideia. As encomendas podem ser feitas através do site. Depois da escolha de uma das ideias, são enviadas indicações relativas ao que é necessário enviar para que o presente seja feito.

“As pessoas envolvem-se nesse processo e são elas que dão a inspiração aos artistas através de fotografias, textos ou músicas para que possam criar.” No caso de uma ideia não estar disponível, é possível entrar em contacto com a startup que, por sua vez, vai tentar encontrar um artista que a possa executar. Em qualquer dos casos, o processo é mediado pela empresa – o cliente passa a informação do que quer, fornece os elementos necessários e a partir daí é entre a empresa e os artistas. A Talanti cobra uma comissão sobre as vendas.

“Sinto que [o negócio] está a crescer. Como é um projeto inovador, no sentido que é um conceito novo, as pessoas também precisam de tempo para entender o que é que podem retirar do presente. Não somos só uma loja online a que a pessoa vai, compra e recebe os produtos dois dias depois. Isto são processos que demoram muitas vezes um mês, por exemplo, até estar concretizado”, salienta Beatriz Cardoso.

Com pouco mais de um ano de vida, a Talanti – o nome surgiu depois de uma troca de ideias e significa talento em lituano – foi lançada com recurso apenas aos capitais próprios da fundadora. Para já, não está previsto recorrer a financiamento, mas Beatriz Cardoso admite, no entanto, que em 2019 possa procurar algum apoio nesta área – ano em que a startup, prevê a empreendedora, alcançará a estabilidade financeira.

“Estamos nas redes sociais e também temos feito um grande trabalho [de concretizar] parcerias, ou seja, angariar parceiros que podem divulgar a Talanti e a sua oferta. É outra área que queremos fazer crescer e que vai ajudar o próprio projeto a crescer, que são parcerias com base no talento dos artistas. Temos uma grande base de dados de artistas e queremos aproveitar o talento deles para fazer várias coisas, não só através do Talanti e dos presentes mas também através de workshops, desenvolvimento de novos produtos.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

BCP

BCP propõe distribuir 30 milhões em dividendos

Miguel Maya, CEO do Millennium Bcp.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Lucro do BCP sobe mais de 60% para 300 milhões em 2018

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Talanti. O talento ao serviço dos dias marcantes