fazedores

Tech4Covid19. Startups juntas nas soluções tecnológicas contra o vírus

Todo o trabalho dos voluntários do Tech4Covid19 foi realizado remotamente. (Imagem cedida pela comunidade Tech4Covid19)
Todo o trabalho dos voluntários do Tech4Covid19 foi realizado remotamente. (Imagem cedida pela comunidade Tech4Covid19)

Mais de 3000 membros do ecossistema empreendedor português criaram um miniexército remoto numa semana, para ajudar a travar a covid-19.

As startups tecnológicas portuguesas juntaram-se para lutar contra o novo coronavírus. Numa semana, mais de 3000 membros da comunidade empreendedora juntaram-se e criaram soluções contra a covid-19. Houve também várias startups que adaptaram o modelo de negócio aos tempos de pandemia.

Por exemplo, se quiser dizer ao mundo que está em casa e em segurança basta carregar no botão do #StayAtHome, um trabalho conjunto do estúdio Armazém Criativo e da agência FES. Se precisar de enviar produtos para amigos e familiares, nasceu um serviço nacional de entregas durante o tempo de isolamento criado pela LUGGit, startup que habitualmente recolhe e entrega bagagens ao domicílio.

Totalmente tecnológico é o chatbot da Visor.Ai, a trabalhar em parceria com a plataforma de prestação de serviços Zaask. Se estiver à procura de um médico, surge logo um chatbot na página da empresa. Mediante os resultados da primeira triagem, o paciente será encaminhado para a plataforma da Zaask, que conta com médicos voluntários que estão em casa a realizar videoconsultas.

Além desta plataforma, há uma rede de médicos voluntários disponível através da Knok Healthcare, que está a dar consultas grátis; a aplicação portuguesa BetterNow, disponível para os sistemas operativos Android e iOS, também está a realizar videoconsultas grátis.

Numa altura em que ir ao supermercado é ainda mais essencial, o portal SOS Covid permite encontrar as lojas com a menor ocupação mais próximas de nós, onde é possível comprar bens de primeira necessidade.

Para os médicos e enfermeiros, foi criada uma plataforma que reúne hotéis e espaços de alojamento local onde estes profissionais poderão descansar; para reforçar as luvas, as máscaras e os fatos de proteção nos hospitais e centros de saúde, foi lançada uma campanha de angariação de fundos através da plataforma de financiamento colaborativo GoParity e que pretende recolher mil mil euros. A plataforma para médicos TonicApp está a recolher toda a informação técnica sobre a covid-19 e há ainda um assistente virtual de triagem para esta pandemia.

Qualquer um de nós também pode ajudar as pequenas empresas a sobreviver ao contágio da covid-19 à economia: nasceram três plataformas que reúnem estes negócios, como a Go Small or Stay Home e os movimentos #compraaospequenos e #atuamesa (sobretudo para o setor da restauração).

A EatTasty, habituada a entregar almoços no local de trabalho, passou a deixar as refeições à porta de casa e alargou a área de cobertura para locais como Paço de Arcos, Carcavelos, Estoril e Cascais (manteve as entregas em Lisboa, Sintra e Amadora). O movimento social Transformers passou a maratona de workshops ao vivo para o digital e está a promover educação para a cidadania jovem, ao voluntariado, juventude e responsabilidade cívica.

A criação deste miniexército contra o novo coronavírus começou no sábado, quando o país se preparava para entrar em estado de alerta. Individualmente, vários fazedores estavam a preparar várias iniciativas para travar a covid-19. Só que na associação de empreendedorismo Founders Founders, no Porto, alguns dos fundadores de startups começaram a trocar mensagens entre si através do WhatsApp.

A conversa começou a contagiar rapidamente toda a comunidade: em 48 horas, havia um grupo com mais de 600 pessoas na plataforma Slack. Estava criado o movimento Tech4Covid19, com vários canais para desenvolver novos projetos. A ideia é criar soluções melhores e mais depressa do que o contágio do novo coronavírus.

Nos próximos dias, com o país já em estado de emergência, são esperadas mais novidades deste movimento, como o registo de pessoas infetadas (ou potencialmente infetadas), prevenindo redes de contágio.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
coronavirus turismo turistas

ISEG. Recessão em Portugal pode chegar a 8% este ano

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. JOÃO RELVAS/LUSA

Pedidos de lay-off apresentados por 33.366 empresas

coronavirus lay-off trabalho emprego desemprego

Rendimento básico incondicional? “Esperamos não ter de chegar a esse ponto”

Tech4Covid19. Startups juntas nas soluções tecnológicas contra o vírus