Hotelaria

The. O primeiro passo para um grupo hoteleiro

Duarte e Martim são dois dos sócios
Duarte e Martim são dois dos sócios

Há poucas noites em que o número 81 da Rua de S. Pedro de Alcântara esteja com o passeio vazio. Com Agosto chegaram a Lisboa um novo hostel e um novo restaurante, onde hóspedes e locais misturam conversas em várias línguas.

“Somos um hostel diferente: que não está fechado a ninguém. A ideia parte exactamente daí: juntar os lisboetas com os viajantes, porque a maior parte das pessoas gostava de ter uma visão local da cidade que visita, dos sítios onde as pessoas vão”, explica Duarte d’Eça Leal, 26 anos, um dos quatro sócios do projecto.

Com os irmãos Martim (35 anos) e Bernardo d’Eça Leal (31) e Afonso Queiroz (30) criaram a MBD Gestão de Investimentos Hoteleiros, através da qual negociaram e reabilitaram um edifício que, durante muitos anos, foi a sede da JS em Lisboa.

O projecto da decoradora Catarina Cabral cumpriu vontades ecológicas: triliches (beliches de três camas) feitos de pinho português e com madeira alemã 100% reciclada e reciclável e 14 camaratas (com disponibilidade para quatro, seis, nove ou 12 camas), quatro suites (total de 116 camas) e zonas comuns amplas. A carta do restaurante respeita a sazonalidade dos produtos e o conceito concretiza-se através da junção dos dois projectos: o hostel The Independente e o restaurante The Decadente, que ajudam a cruzar portugueses e estrangeiros no mesmo espaço. “Ninguém estava à espera que o restaurante estivesse sempre cheio, logo em Agosto, e com reservas para 15 dias. Foi uma aposta sem garantias. Não é produção industrial. O nosso mercado é limitado. Com base nessa análise, criámos a sinergia para salvaguardar e blindar uma e outra área de negócio”, esclarece o gestor.

Com um investimento de um milhão de euros de capitais próprios, os quatro irmãos querem fazer do edifício um marco de passagem na capital e criaram sinergias com agentes locais que se identifiquem com o mesmo conceito turístico. Além das camaratas, o hostel conta com quatro suites com acesso privado – através de um elevador e com vista panorâmica sobre a cidade – e preços que, acredita Duarte, garantem que os clientes que as alugam procuram exactamente esse tipo de produtos turísticos.

“A elasticidade do preço, aqui, seria um case-study muito interessante para a escola de gestão trabalhar. Há uma volatilidade de certos modelos de quarto: a camarata de 12 é extremamente volátil, a de quatro é completamente inelástica. Tal como os clientes das suites que, se subo o preço para 150 euros por noite, querem exactamente este produto. Não querem ir para um hotel, querem uma coisa diferente.” A análise levou a que o The Independente seja o primeiro hostel a participar na construção do regulamento de hostels em Lisboa, uma novidade que vem complementar as regras do alojamento local.

Mas a experiência também levou os sócios a reavaliar o plano inicial porque, diz Duarte, “as calças só se vê se servem quando se experimentam”. “Estamos a pensar reduzir o número de camas para 80. Primeiro porque conseguimos atingir um preço por cama mais interessante e, baixando a escala, dar um produto de qualidade mais sólida, e que os espaços comuns e exclusivos a hóspedes sejam mais produtivos e interessantes do ponto de vista da sua própria confluência e de como podem conhecer-se pessoas.”

Além disso, sublinha Duarte, com o hostel com ocupação total, os hóspedes não teriam o espaço e a atenção necessários. O negócio passa ainda por parcerias com empresas turísticas que se identificam com o hostel – como é o caso da We Hate Tourism Tours -, e que, de alguma forma, partilham do conceito, “o que acaba por dar a sensação de que faz tudo parte da mesma empresa.”

Uma coisa é certa: a passagem no passeio da Rua de S. Pedro de Alcântara é mais difícil desde Agosto. “Com a primeira peça do dominó consegue-se dinamizar muitas economias locais. Toda a gente ganha: os cafés, os restaurantes, os museus, a cidade.”

O The Independente e o The Decadente abriram em Agosto de 2011. O The Independente tem 14 camaratas, incluindo um lounge (108 camas) e quatro suites (8 camas). Os preços variam entre os 12,99euro (camaratas de 12 pessoas) e os 125euro (suites). O The Decadente começa em Dezembro a servir almoços (dia 5) e brunches (dia 11).

www.theindependente.pt

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Biedronka assegura 68% das vendas; Pingo Doce 24%

Jerónimo Martins vai impugnar coima de 24 milhões na Polónia

Parque Eólico

EDP Renováveis vende sete parques eólicos à Finerge em Espanha

Luís Máximo dos Santos é presidente do Fundo de Resolução.

Fundo de Resolução diz que comprador da GNB tinha a proposta “mais atrativa”

The. O primeiro passo para um grupo hoteleiro