fazedores

Torres Vedras quer conquistar startups com mar, benefícios fiscais e inovação

Agência Investir Torres Vedras é o epicentro do empreendedorismo deste concelho do Oeste. (DR)
Agência Investir Torres Vedras é o epicentro do empreendedorismo deste concelho do Oeste. (DR)

A meia-hora de Lisboa, este município de Oeste dispõe de uma agência de investimento pronta para acolher startups de todo o país.

Já lá vai o tempo em que Torres Vedras apenas era conhecida pelas pedaladas de Joaquim Agostinho ou pela praia de Santa Cruz. Agora, é a vez de as startups darem nas vistas neste município do Oeste. Os benefícios fiscais à instalação de novas empresas, a proximidade a Lisboa e o acesso a maiores fundos comunitários são alguns dos trunfos para atrair a inovação para este concelho, conforme o Dinheiro Vivo pôde ficar a conhecer através da agência Investir Torres Vedras.

Temos um apoio próximo ao empreendedorismo, com custos reduzidos. O facto de pertencermos à região centro dá-nos grandes benefícios a nível dos fundos comunitários, sobretudo do Portugal 2020, com taxas de co-financiamento muito maiores do que em Lisboa, embora só estejamos a meia-hora da capital”, assinala Raquel Luz, diretora desta agência.

Atualmente, existem seis empresas em incubação física em Torres Vedras e outras 21 em incubação virtual. Uma das empresas com sede em Torres Vedras é a Live Electric Tours, a startup que permite aos turistas conhecer as cidades de Lisboa, Porto e Évora com pequenos veículos elétricos e partilharem tudo com os amigos nas redes sociais em tempo real.

“Esta terra representa agricultura, vinho e sustentabilidade. Nem todas as cidades podem ser como Lisboa, Porto ou Coimbra. Precisam de se distinguir e Torres Vedras pode destacar-se por ser um local com muita qualidade de vida a menos de meia-hora de Lisboa e com um custo de vida muito mais reduzido”, destaca Djalmo Gomes, fundador e presidente executivo daquela que foi considerada a melhor startup de turismo da Europa em 2018.

Leia aqui: Startup Torres Novas. Há uma nova incubadora de empresas no Ribatejo

A escolha da Live Electric Tours deve-se ao Torres Inov-E, o programa de empreendedorismo local que está registado pelo IAPMEI para atribuir Vales de Incubação ao abrigo da estratégia Startup Portugal. Na área da economia verde, existe o programa de empreendedorismo Eco Campus.

O apoio local não fica por aqui: o LabCenter é um laboratório de fabricação digital e um centro de conhecimento, investigação e desenvolvimento de projetos e protótipos; o Smart Farm Colab é um laboratório colaborativo para a inovação digital na agricultura. O Dinheiro Vivo falou com uma startup de cada uma destas áreas que já se instalou em Torres Vedras.

Nos projetos e protótipos, a Genviot está a lutar contra o desperdício da água na rega através de uma caixa tecnológica colocada nos jardins. “Introduzimos redes de sensores wireless em sítios estratégicos e recolhemos dados de temperatura, humidade do ar, humidade do solo, luminosidade e outros parâmetros. Comparamos esses dados com o tipo de jardim: se tem árvores, arbustos e, na agricultura e o tipo de cultivo que existe. Misturado com os algoritmos desenvolvidos por nós, determina quantos minutos são necessários para a rega”, explica André Glória, um dos fundadores.

Esta startup deverá apostar em dois modelos de negócio, conforme o perfil de clientes: nos privados, “vendemos os módulos ao cliente e recolhemos uma subscrição mensal; para as entidades públicas, poderemos trabalhar através de contratos e ficamos com 20% dos ganhos obtidos pelo clientes – se não pouparem nada, também não perdem dinheiro”.

Na área da economia verde, destaca-se a Aquaponics Iberia, uma empresa fundada no início de 2017 que se dedica à consultoria, formação, design, instalação e fornecimento de sistemas de aquaponia, isto é, com o menor consumo de água possível.

Com atividade na Jamaica, Moçambique, Espanha, Portugal, Brasil e México, a Aquaponics Iberia acabou por instalar-se em Torres Vedras por causa da “grande filosofia na área da sustentabilidade” e por ser “mais benéfico na atribuição de fundos comunitários”, assinala João Cotter, um dos fundadores desta startup.

Atualmente, o concelho de Torres Vedras conta com um total de 10.121 empresas, que faturam 2,5 mil milhões de euros de euros por ano. Números que poderão ser reforçados com a aposta no empreendedorismo tecnológico e ambiental.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, e Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens

OCDE. Famílias portuguesas podem perder 50% do rendimento se vier uma nova crise

Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, e Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens

OCDE. Famílias portuguesas podem perder 50% do rendimento se vier uma nova crise

Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Outros conteúdos GMG
Torres Vedras quer conquistar startups com mar, benefícios fiscais e inovação