Dinheiro Vivo TV

Ubirider. Nesta estação virtual compra-se bilhetes para todas as viagens

A carregar player...

A equipa que criou a Kinematix está a apostar na mobilidade. Grupo Barraqueiro é um dos principais investidores nesta startup do Porto.

Comprar bilhetes para apanhar vários transportes públicos pode deixar de ser uma dor de cabeça graças à Ubirider. Esta startup do Porto criou a Pick, aplicação móvel que pretende centralizar a aquisição das viagens, os pagamentos e ainda a pesquisa de deslocações em Portugal e no estrangeiro.

A compra de viagens no autocarro da Royal Express entre Cascais, Sintra e Porto é o primeiro exemplo de utilização da aplicação, disponível com os sistemas operativos iOS e Apple. A ambição de Paulo Ferreira dos Santos, fundador da Ubirider, vai muito além disso.

“As autoestradas, os transportes públicos e os parques de estacionamento vão interligar-se para que quem vier de fora da cidade deixe o carro no sítio mais conveniente e depois utilize os transportes públicos. Hoje em dia, é muito difícil fazer isso porque a portagem é paga de uma forma, um parque é pago de outra. Nós queremos juntar tudo isso.”

O grupo Barraqueiro e a empresária Beatriz Barata, dona do grupo Scotturb, já se deixaram contagiar pela visão de Paulo Ferreira dos Santos e foram os primeiros investidores na Ubirider. Além da injeção de capital, os dois investidores servem como plataformas de teste.

No caso do grupo Barraqueiro, “a Fertagus abriu-nos as portas desde o primeiro dia. É um bom parceiro para nós porque eles têm os comboios, os autocarros (Sulfertagus) e ainda gerem seis parques de estacionamento em estações ferroviárias”.

Além das opções para passageiros, a Ubirider tem uma solução para as gestoras de transportes públicos. “Damos aos operadores uma plataforma em que eles controlam todas as vendas de bilhetes e de passes através da nossa aplicação.”

Por exemplo, “num autocarro em Lisboa, se passarmos um cartão, o operador sabe onde as pessoas entraram mas não onde saíram. Damos a informação completa para os operadores definirem a rede, a frequência e melhorar o serviço sem grande investimento. A única infraestrutura que usamos é o telemóvel. Nos meios com pórticos, adaptamo-nos à estrutura”.

Como se prevê que a Ubirider funcione com operadores de vários países, a startup não vende as soluções para outras empresas. A integração das cidades no sistema ocorre em menos de 24 horas, graças à conjugação da tecnologia Google com algoritmos criados pela equipa portuguesa. “Se fizer uma solução marca branca em Lisboa, não vai funcionar em Coimbra ou no Porto. Queremos que a nossa aplicação funcione em todo o lado.”

A ideia para esta startup nasceu há alguns anos, quando Paulo Ferreira dos Santos se deslocava no centro da Europa. “Viajava muito e incomodava-me, nas viagens entre Luxemburgo, Bélgica, Holanda e Alemanha, fazer poucos quilómetros e ter de lidar com experiências completamente diferentes.”

Na altura, “o estado da arte não permitia uma solução tecnológica do género. Só que a evolução dos telemóveis e o nascimento das fintech tornou possível integrar operadores de transportes em todo o mundo. Não tenho nenhuma dúvida de que isso vai acontecer”.

Como dar a volta ao fracasso

A equipa da Ubirider conta com 12 pessoas, quase todas vindas da Kinematix, o anterior projeto de Paulo Ferreira dos Santos, na área dos wearables, e que acabou, em 2017, após uma década.

Quando a Kinematix fechou, esta equipa queria continuar junta. Não fui eu que os contratei, foram eles que me contrataram como líder deles, o que é uma honra enorme. Tive a opção de emigrar ou ficava em Portugal a trabalhar com esta gente que adoro”, destaca o fazedor. “A equipa tem uma resistência pedagógica que permitiu dizer: correu mal. Vamos lá tentar outra vez. Isso é muito raro, mesmo em Silicon Valley. Perguntam-me mesmo como a equipa se manteve depois de uma situação tão dolorosa.”

Tabu. Só uma em cada três startups chega às 300 semanas. Fecham ao fim de um ano

Com o fecho da empresa, Ferreira dos Santos aprendeu: “mais do que o dinheiro, temos de escolher o perfil do investidor com que nos queremos casar”. Assinala também que “o ecossistema está muito mais evoluído do lado dos empreendedores do que do lado dos investidores. Não é uma questão de dinheiro mas sim de mentalidade. Se houver um pouco mais de confiança nos empreendedores e no talento, Portugal poderia tirar mais potencial do que ter apenas a Web Summit.”

“Enome evolução” a caminho

Até ao final do primeiro trimestre, espera-se uma “enorme evolução. Vamos vender bilhetes em muito mais sítios: estamos a apostar em Espanha e a falar com cidades que estão a ir para lá do software aberto e que já apostam na abertura dos canais de venda de bilhetes”. Viena e Helsínquia são exemplos.

Também está a ser desenvolvida uma solução para que as empresas possam pagar mais facilmente o passe social aos trabalhadores. “Estamos a criar um canal com as empresas de transportes públicos para acabar com a situação em que se quiser pagar o passe a um funcionário meu, ele tem de ir tratar dos documentos, pagar, pedir a fatura em seu nome e depois o reembolso é um processo burocrático. Os operadores perdem o benefício fiscal e as empresas acabam por não beneficiar deles porque o processo gera muita confusão.”

Durante este ano será ainda levantada uma nova ronda de financiamento, em late seed, entre 2,5 e 3 milhões de euros. “Não queremos levantar já muito dinheiro. Apostamos sobretudo na credibilidade.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Vista aérea da Praça dos Restauradores em Lisboa, Portugal, 24 Março de 2020. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A economia entrou em estado de quarentena

Lisboa, 10/05/2019 - Vida do Dinheiro (DN-TSF) - Isabel Furtado, presidente da Cotec e da TMG.
Isabel Furtado
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Covid-19: “Medidas têm de ser estratégicas e não apenas imediatas e impulsivas”

Ursula  von der Leyen, presidente da Comissão Europeia. Fotografia: Kenzo Tribouillard/AFP

Comissão Europeia vai rever proposta de orçamento da UE

Ubirider. Nesta estação virtual compra-se bilhetes para todas as viagens