financiamento

Unbabel angaria 5 milhões de dólares

Hugo Silva, João Graça, Vasco Pedro, Bruno Silva e Sofia Pessana (presente em modo virtual, no tablet) são os cofundadores da Unbabel
Hugo Silva, João Graça, Vasco Pedro, Bruno Silva e Sofia Pessana (presente em modo virtual, no tablet) são os cofundadores da Unbabel

Startup portuguesa fecha ronda de financiamento, que contou com a Caixa Capital como uma das principais investidoras.

Fundada em 2013, a Unbabel é uma aplicação de tradução, feita por pessoas reais. Foi a primeira empresa portuguesa aceite no conceituado acelerador YCombinator, em Silicon Valley, e acabou de fechar uma ronda de financiamento Série A, de cinco milhões de dólares (4,5 milhões de euros).

Os investidores principais foram a Caixa Capital e a Notion Capital, mas no acordo participaram ainda a Faber Ventures e a Shilling Capital. Com este valor, o total angariado pela startup até ao momento passa a 8 milhões de dólares (7,3 milhões de euros).

O valor do investimento servirá para construir o “Unbabel Language Engine”, uma plataforma tecnológica que combina o processamento de linguagem natural com inteligência artificial, algoritmos de qualidade e uma rede global de 40 mil editores humanos.

Leia aqui: Há 100 mil euros para a melhor ideia no turismo

Em comunicado, Vasco Pedro, CEO da Unbabel acredita queas pessoas desempenham um papel muito importante no processo de tradução, mas no topo da cadeia da tecnologia de ponta que faz 95% do trabalho. Com esta nossa abordagem, podemos traduzir o texto de forma mais rápida e mais barato, incluindo os tipos de conteúdos que antes eram vistos como intraduzíveis como emails e chats“.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
Unbabel angaria 5 milhões de dólares