fazedores

Vantta. Avaliar eventos com um dedo e em dez segundos

João Sousa Martins, Henrique Pinto e Vitor Andrade, fundadores da Vantta, startup que ajuda as empresas a recolherem opini›ões dos seus produtos e serviços. Foto:
(André Rolo / Global Imagens)
João Sousa Martins, Henrique Pinto e Vitor Andrade, fundadores da Vantta, startup que ajuda as empresas a recolherem opini›ões dos seus produtos e serviços. Foto: (André Rolo / Global Imagens)

Aplicação criada por ex-membro português da Web Summit substitui avaliações por estrelas e sorrisos.

A Vantta quer acabar com os questionários aborrecidos. Em apenas dez segundos, com um deslizar de um dedo, é possível recolher opiniões de um evento ou de uma conferência, com uma taxa de resposta bem acima do habitual e com um código de cores para avaliar o sentimento. Esta startup acabou de fechar a sua primeira ronda de financiamento e conta, entre os três fundadores, com um ex-funcionário da Web Summit.

“Estamos focados na área das empresas, mais capaz tecnologicamente de responder a estes desafios. Noutros tipos de questionários, há uma grande diferença entre o número de utilizadores e o número de comentários recebidos. Queremos substituir-nos a outros sistemas de avaliação, como a classificação por estrelas ou o método por sorrisos”, explica Vítor Andrade, um dos três fundadores da Vantta, juntamente com João Sousa Martins e Henrique Pinto.

Esta plataforma foi utilizada, por exemplo, na mais recente conferência da Unbabel, dedicada aos clientes. À saída, alguns voluntários mostravam uma pequena grelha no telemóvel e era possível responder a critérios como a qualidade dos oradores, as condições do recinto, avaliar a organização, entre outras características. Também é possível avaliar, por exemplo, a qualidade dos trabalhos efetuados por empresas de manutenção.

O modelo de negócio é baseado na subscrição de uma licença, a partir dos 30 euros, mas varia conforme as ferramentas necessárias. Os clientes da Vantta recebem os dados recolhidos numa plataforma que é capaz de produzir relatórios automáticos e que destaca vários pontos de análise. A Vantta – a analogia ao material mais absorvente do mundo – está na incubadora de empresas District, no Porto.

Apresentada oficialmente na Web Summit do ano passado, esta startup nasceu depois de algumas ideias que não foram bem-sucedidas. Divididos entre Lisboa e Porto, Vítor, João e Henrique quiseram lançar, nos últimos três anos, uma plataforma de venda de produtos de pessoa para pessoa (peet-to-peer), um sistema online de sorteio de bilhetes e uma marca de T-shirts.

A Vantta acabou por surgir, num encontro no Porto, “como uma evolução muito natural das nossas outras ideias. Num momento, um de nós desenhou o movimento do dedo, outro criou a grelha e percebemos que podíamos fazer qualquer coisa com isto”.

Nessa altura, Vítor Andrade já tinha deixado os escritórios da Web Summit, depois de mais de um ano a avaliar startups, entre Lisboa e Dublin. “Este trabalho aumentou bastante o meu conhecimento sobre startups”, reconhece. É a primeira vez que um ex-funcionário de Portugal lança uma startup.

Depois da ideia, a plataforma conseguiu uma das bolsas mensais de 700 euros do Startup Voucher, uma das medidas da estratégia de apoio ao empreendedorismo Startup Portugal. No ano passado, antes de participarem na Web Summit, Vítor e companhia andaram a recolher opiniões com tablets em restaurantes, mas acabaram por mudar de segmento de mercado.

Nas últimas semanas, a plataforma fechou a sua primeira ronda de investimento, por montante não revelado e que ainda deverá crescer. A primeira prioridade da Vantta é contratar um analista de dados.

Seguem-se as novas fases do produto. “A ideia é que qualquer pessoa, em qualquer parte do mundo, consiga registar-se na nossa plataforma, fazer download da aplicação e instalá-la num tablet ou website O cliente, depois, terá várias opções para serem avaliadas. E poderá acrescentar campos extra.”

A aposta no turismo também está a ser estudada. “Se alguém avaliar um quarto de hotel e estiver desagradado, o gerente pode receber um alerta em tempo real e resolver a situação antes de o cliente se ir embora.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Exportações, TIC, Taiwan

Portugal exporta mais talento e tecnologia. Taiwan ganha força

Lisboa, 19/7/2019 - Eduardo Marques, Presidente da AEPSA- Associação das Empresas Portuguesas para o Sector do Ambiente-  uma associação empresarial, criada em 1994, que representa e defende os interesses coletivos das empresas privadas com intervenção no setor do ambiente,
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Eduardo Marques. “Há um grande espaço para aumentar as tarifas da água”

Jorge Leite. Fotografia: CGTP-IN

Morreu Jorge Leite, o jurista do Trabalho que defrontou a troika

Outros conteúdos GMG
Vantta. Avaliar eventos com um dedo e em dez segundos