fazedores

Velas feitas do seu óleo de cozinha

ng3116004

A ideia é fazer que as pessoas se apaixonem pelo seu lixo, começa Mário Silva, fundador da The Greatest Candle, pôr todo o mundo a fazer velas coloridas e perfumadas com o óleo de fritar batatas, antes de ser despejado ralo abaixo. A proposta é simples: misturar umas colheres de um pó, levar uns minutos ao micro–ondas, espetar um pavio, deixar arrefecer e já está. Tudo o que precisa está no kit da The Greatest Candle, que custa 19 euros e tem o material necessário para iluminar durante 180 horas.

Leia também: Mercado da saudade – A nostalgia pode fugir à tristeza

“Acreditamos que, um dia, as pessoas vão deixar de ter em casa velas feitas de parafina, um derivado do petróleo, um recurso escasso e poluente. Atualmente, 80% das velas existentes no mundo são de parafina. Queremos mudar isso!”, explicou Mário Silva, em entrevista ao Dinheiro Vivo.

O negócio arrancou em maio de 2012 e logo em junho a The Greatest Candle conseguiu entrar numa das maiores feiras de decoração do mundo – a francesa Maison et Objet. Os dois portugueses – Mário Silva e Rui Monteiro (dois ex-Sonae) – saíram de Paris com o prémio de produto mais inovador e encomendas para vender em França, Bélgica, Itália, Holanda e Reino Unido.

No primeiro ano, ou seja, em 2012, o volume de negócios ascendeu a 200 mil euros, mas o objetivo para este ano é duplicar e, para 2014, as previsões são de um milhão de euros de faturação. Lucros só no próximo ano, pois o break even point ocorrerá este ano.

O sócio francês, uma empresa distribuidora de velas que tem cerca de 20% do capital, teve um papel importante na vocação exportadora da The Greatest Candle, que, apesar de controlada por portugueses, tem sede na Holanda – “Disseram-nos logo que não metiam dinheiro em Portugal, um país em crise e que muda o enquadramento fiscal a cada três ou quatro meses”, adianta Mário Silva. Só este ano, em setembro, é que começaram a vender em Portugal. E num modelo de venda assistida por demonstração, como a Bimby ou a Tupperware, que será, mais tarde, transposto para os restantes mercados.

“Portugal, que deverá pesar 30% da faturação do próximo ano, é o laboratório. Queremos migrar este modelo de venda para outros países”, adiantou Mário Silva. Segundo o fundador, o produto tem a ganhar com a venda através de consultores – neste momento existem 15, mas a ideia é chegar aos 150 durante no próximo ano. “Acreditamos no community commerce, quem consome vende. No fundo, é a lógica da venda direta do século passado, mas assente numa dinâmica diferente, em termos tecnológicos, potenciada pelas redes sociais”, diz Mário Silva.

Da lata e do seu próprio conteúdo, a The Greatest Candle apenas importa os pavios e os perfumes, que são de dois perfumistas estrangeiros (um francês e outro inglês): “70% do produto é feito na Marinha Grande”, precisou o gestor. Além de vender os kits para fazer velas a partir de óleos vegetais, a empresa portuguesa produz velas com a sua tecnologia Oil to Wax – à espera de registo da patente – para outras entidades, como por exemplo para a Amnistia Internacional e para a World Wildlife Foundation.

Ideias não faltam. No mundo das velas há ainda muito por explorar, como por exemplo as velas terapêuticas, as antimosquito ou as que reduzem o cheiro dos animais domésticos. E há mais lixo doméstico para se apaixonar: “Já tenho mais ideias a partir do lixo que encontramos em casa, mas ainda é cedo para falar e o nosso foco está ainda n”A Melhor Vela”, acrescentou Mário Silva.

O negócio está a crescer e para isso é preciso dinheiro, pelo que a The Greatest Candle irá efetuar um aumento de capital ao longo do próximo ano. O capital social atual é de 140 mil euros e foi este, segundo Mário Silva, o investimento inicial no projeto. Neste momento decorrem já negociações com potenciais novos acionistas da empresa portuguesa, que participarão no aumento de capital.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Francisco Pedro Balsemão, CEO do grupo Impresa. Foto: DR

Impresa.Reestruturação já atingiu 20 trabalhadores. E chegou ao Expresso

PCP

Subsídios por duodécimos no privado também acabam em 2018

Turistas no novo terminal de cruzeiros de Lisboa, Santa Apolónia. Fotografia: Gustavo Bom/Global Imagens

Instituto alemão prevê boom na construção em Portugal até 2020

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Conteúdo TUI
Velas feitas do seu óleo de cozinha