fazedores

Wyze. Scooters com pegada ecológica e troca de pontos

Tiago Silva Pereira, director-geral da Wyze Mobility, empresa que partilha scooters eléctricas em Lisboa.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)
Tiago Silva Pereira, director-geral da Wyze Mobility, empresa que partilha scooters eléctricas em Lisboa. (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Terceira empresa a partilhar motos elétricas em Portugal tem capital nacional e aderiu ao sistema Ayr. Teste no Porto começa neste mês.

O desenho das scooters faz lembrar uma Vespa mas nada se ouve. Estas são as motos da Wyze Mobility, a terceira empresa a partilhar scooters elétricas em Portugal e a primeira com capital exclusivamente nacional. Tiago Silva Pereira apostou neste negócio com quase um milhão de euros de orçamento. A logística com pegada ecológica e o programa de troca de pontos fazem a diferença.

Apesar de ser um fazedor do Porto, Tiago começou a partilhar as scooters elétricas de 50 cc nas ruas de Lisboa no início de julho. A frota é de 260 motos mas ainda nem todas estão a circular.

Para já, é possível encontrá-las no Parque das Nações, no centro da cidade e junto ao aeroporto. Cada minuto de viagem custa 25 cêntimos e cada veículo tem dois capacetes e toucas. As scooters podem ser encontradas na aplicação, disponível através dos sistemas Android e iOS, em que se adiciona o cartão de crédito para pagar.

A publicidade nas motos também é uma fonte de receitas para a Wyze – a Galp Electric é a primeira empresa a patrocinar esta startup.

A pegada ecológica é uma das grandes preocupações desta nova marca: a equipa que faz a manutenção diária das scooters desloca-se sempre em carrinhas elétricas; e os utilizadores vão saber quais as emissões de CO2 poupadas, que serão transformadas em moedas virtuais e usadas em produtos e serviços sustentáveis de parceiros. Isto é possível porque a Wyze associou-se à plataforma AYR, desenvolvida pelo CEiiA – Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto.

A nova startup de mobilidade também criou o programa de fidelização Wisdom, que terá “uma rede de parceiros com benefícios mútuos”, conta Tiago Silva Pereira ao Dinheiro Vivo.

A preocupação com o ambiente resulta da própria experiência de Tiago. “Praticamente não ando de outro meio de transporte que não a scooter: permite chegar, de forma muito planeada, ao meu destino e sei que tenho estacionamento à porta; no carro, isso acontece cada vez menos. As emissões de CO2 também me causam cada vez mais impressão.”

A manutenção das scooters é feita dentro do Unobvious Lab, espaço criado por Tiago Silva Pereira e que inclui o bar Con Gusto, que serve bebidas, tapas e brunch de inspiração mediterrânica e sul-americana; um espaço de trabalho partilhado (cowork) com 12 lugares e que, em breve, terá uma loja de vinhos.

O Unobvious Lab nasceu através da empresa de consultoria de negócios Unobvious Solutions, criada em 2013 por este fazedor depois de ter trabalhado numa fabricante italiana de helicópteros.

Teste no Porto e em Matosinhos

Nas próximas semanas, a Wyze será a primeira empresa a testar a partilha de scooters elétricas no norte do país. “Ainda neste mês vamos arrancar com um projeto-piloto, com 30 motos, divididas entre a Baixa do Porto, Mercado de Matosinhos e Foz.”

Até ao final deste ano, Tiago Silva Pereira conta que a Wyze chegue a mais cidades: “Espero estar em mais uma cidade portuguesa – eventualmente, via franchising – e na primeira cidade internacional.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes. MÁRIO CRUZ/LUSA

Famílias ficam com um pouco mais de salário ao final do mês

Miguel Almeida, CEO da NOS

Comité de Ética da NOS vai ouvir os administradores envolvidos no Luanda Leaks

O Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, discursa durante a cerimónia de tomada de posse do XXII Governo Constitucional, liderado pelo secretário-geral do Partido Socialista (PS), António Costa, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 26 de outubro de 2019. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Marcelo: É bem-vindo a Portugal todo o investimento no respeito da legalidade

Wyze. Scooters com pegada ecológica e troca de pontos