Tecnologia

Zankyou: O casamento na era digital expande-se em português

A tecnológica nasceu para facilitar a vida aos noivos. Através do portal é possível organizar toda a cerimónia de casamento. E sem sair da cadeira.

A internet apoderou-se dos nossos dias e tornou o mundo extraordinariamente pequeno. Mesmo aquele dia especial, em que duas pessoas se comprometem na felicidade conjugal, já tem o seu espaço na rede digital. A facilidade e rapidez com que se reúnem pessoas de diversas partes do mundo através da internet esteve na origem da criação da Zankyou, um portal internacional de casamentos. Hoje, a Zankyou não é só um portal. Tem uma app, está presente no Facebook e no Instagram, explora 23 mercados e é visionada por 5,5 milhões de pessoas por mês.

Os espanhóis Javier Calleja e Guilhermo Fernández são os mentores do portal. Amigos de longa data, ambos decidiram casar com mulheres estrangeiras. Fernández apaixonou-se por uma mulher francesa e Calleja perdeu-se por uma canadiense. A organização dos casamentos, com tudo o que está subjacente à cerimónia (convites, prendas, alojamento…), foi um desafio. E, desta forma, descobriram uma lacuna no mercado internacional: um portal online de casamentos. Em 2007, nasce a Zankyou e logo se expande a oito países, incluindo Portugal.

Passados mais de dez anos, a Zankyou – o maior portal internacional de casamentos, segundo afirma -, marca presença física no Porto. Acaba de abrir um escritório para trabalhar com mais eficácia e proximidade o mercado português, e em particular a região Norte, onde o casamento tem ainda um especial significado. Cristiana Simões é o rosto da empresa em Portugal, depois de vários anos a trabalhar em Madrid, onde estão instalados os serviços centrais. Em Portugal, o portal contabiliza mais de 10 mil noivas registadas por ano e 190 mil visitas por mês.

Casar pela net

A Zankyou alia o dia de sonho dos noivos e a internet. Para isso, criou um conjunto de funcionalidades na sua página que permite aos nubentes navegar e escolher o que mais desejam para o dia em que vão estreitar laços. Como descreve Cristiana Simões, é possível encontrar todo o universo do que é o casamento e do que é preciso para realizar uma cerimónia inesquecível e tradicional.

Mas a Zankyou não se ficou pelo que é tradicional e lançou um serviço inovador: a lista de casamento eletrónica. A lista de casamento da Zankyou permite aos convidados adquirirem os artigos pré-selecionados pelos noivos através do portal ou a oferta de prendas exclusivamente monetárias. Após o casamento, os noivos podem optar por receber os artigos ou apenas o dinheiro. A lista é totalmente personalizada pelos nubentes e não obriga a nenhum compromisso com as lojas. Até a lua de mel pode ser uma sugestão de prenda, diz Cristiana Simões.

A partir do portal Zankyou, os noivos podem criar o seu próprio site de casamento, personalizando as imagens com soluções fornecidas pela empresa ou adquirindo algumas ferramentas disponíveis na plataforma. Os convites podem partir daí e, claro, podem ser desenhados ao gosto dos prometidos. Também é possível fazer a gestão da lista de casamento, confirmar as presenças através do site e até organizar as mesas da boda de forma virtual. O site permite ainda criar um álbum de fotografias e partilhar as imagens para downloads.

Cristiana Simões garante que o portal está concebido para um segmento sócio-económico médio-alto. Como salienta a responsável, “não somos as páginas amarelas dos casamentos, os fornecedores ou são convidados a integrar o portal ou solicitam a entrada e nós vamos averiguar se preenchem os requisitos que pretendemos”. Em Portugal, a Zankyou tem perto de 3500 fornecedores.

O portal tem uma revista online, onde todos os dias são publicados artigos relacionados com a temática do casamento.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Zankyou: O casamento na era digital expande-se em português