Quer mudar de operadora de TV, net e voz? Saiba o que ter em conta

Se está a pensar cancelar o seu serviço com a operadora de telecomunicações, saiba primeiro quais as obrigações que tem para com eles, nomeadamente qual o período de fidelização contratado e quanto tempo ainda falta até ao final do contrato - mas há exceções, veja se se enquadra em algum dos casos.

Dinheiro Vivo
Quer mudar de operadora de TV, net e voz? Saiba o que ter em conta (Imagem de arquivo)

Se está insatisfeito com a sua operadora de telecomunicações, certamente já lhe passou pela cabeça mudar. Esta é uma decisão que deve ser ponderada. É essencial analisar bem as quais são as suas necessidades e até quanto pode pagar.

Mas, antes de tomar uma decisão existem algumas questões a ter em conta.

Leia também: Telecomunicações: Serviços em pacote sobem menos em Portugal do que na UE

<strong>Período de fidelização</strong>

As operadoras estão obrigadas a apresentar ofertas sem fidelização e com período de fidelização de 6 ou 12 meses, não podendo exceder o período de 24 meses.

Em 2016, foi introduzida uma legislação que obriga as operadoras de telecomunicações a alternativas contratuais sem fidelização. Contudo, a maioria dos consumidores acaba por optar por contratos com fidelização já que os preços mais baixos e as vantagens adicionais pesam na decisão final.

O contrato com fidelização exige a permanência do cliente durante o período estabelecido. Se rescindir o contrato durante esse período exige o pagamento de uma indemnização à operadora. Mas há exceções:

- Se estiver ao abrigo do período de livre resolução: serviços contratados por telefone ou online estão abrangidos por um prazo de 14 dias, durante o qual o cliente pode cancelar os serviços, sem penalização.

- Se as circunstâncias forem alteradas: situações de desemprego, mudança de morada ou falecimento do titular.

- Se o contrato não estiver a ser respeitado pela parte da operadora: em caso de anomalias ou ausência de serviço sem resolução e alterações de contrato sem notificação prévia de 30 dias, o cliente pode revogar o contrato com a operadora.

Pode cancelar o contrato por carta registada com o seu número de cliente e o número do cartão de cidadão ou identificação fiscal. Deve expor os motivos pelos quais quer rescindir o contrato e anexar à carta os documentos comprovativos do motivo de cancelamento (documento comprovativo de inscrição no IEFP ou de nova morada, por exemplo).

<strong>Tem custos?</strong>

Para cancelar um determinado serviço e mudar de operadora não basta ligar e dizer que pretende cessar o contrato. Como já vimos, essa anulação vai ter custos para si se estiver a fazer isso antes do final do contrato.

Desde logo, saiba que vai ter de liquidar os custos que a operadora teve com a instalação dos equipamentos. Ainda assim, as operadoras são obrigadas a ter todos estes gastos previstos e escritos no contrato, para que o consumidor esteja sempre informado sobre o que terá de pagar e não seja apanhado de surpresa.

<strong>Analise as suas necessidades</strong>

Será que precisa mesmo de mais de 100 canais? Quantas pessoas precisam de acesso à internet em casa? E quantos telemóveis pretende associar ao novo pacote? Um pacote de telecomunicações pode incluir televisão, internet fixa, telefone fixo, telemóvel e internet móvel. Antes de analisar as opções de operadoras no mercado, deve definir quais são os serviços que realmente lhe fazem falta. As necessidades da família devem ser tidas em conta.

Deve ainda ponderar os serviços que vêm associados: videoclube, uma box que permita gravar, avançar ou parar a emissão, aplicações para assistir TV no smartphone e/ou no computador (MEO Go ou App NOS TV) ou Netflix.

Assim, negoceie, avalie as propostas que lhe apresentam e renegoceie. Nada como ter mais do que uma oferta para ter mais força perante um fornecedor.

E ainda: Rever pacotes de telecomunicações pode render poupança anual de até 346 euros

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG