Como saber se as lojas online inflacionam preços na Black Friday

Os produtos em promoção devem apresentar os dois preços: o atual, com desconto, e o inicial, que será o praticado nos 90 dias anteriores. Par poder confiar nesta informação, use comparadores de preços como o da Deco Proteste.

É já esta sexta-feira que se assinala a Black Friday, um dia marcado por grandes descontos nas mais variadas lojas. São várias as superfícies físicas e sites que aderem a este fenómeno e cada vez mais é alargado o período de descontos, não se cingindo apenas ao dia de sexta-feira.

Apesar de este poder ser o momento ideal para fazer algumas compras, existem alguns cuidados a ter para tirar realmente proveito das promoções e conseguir poupar.

Leia também: O que não deve mesmo comprar antes da Black Friday

É muito importante que vá acompanhando ao longo do tempo os preços dos produtos que pretende comprar. Isto porque um "truque" bastante comum das lojas nos períodos de descontos é iludir os consumidores quanto ao desconto. Ou seja, levá-los a crer que o preço praticado na Black Friday é o mais baixo.

Para que possa comprar com consciência neste dia, é essencial planear as suas compras. Assim, deve saber o que quer comprar, qual o preço habitual e pesquisar nos comparadores disponíveis online. Estas ferramentas podem mostrar-lhe a oscilação do preço de determinado produto ao longo do tempo. Pode, por exemplo, recorrer ao Kuanto Kusta para comparar lojas ou produtos e depois verificar no comparador da Deco Proteste.

Só assim terá a certeza de que o preço anunciado na Black Friday é mesmo o mais baixo, podendo comparar com o preço original e perceber se o desconto que foi aplicado compensa ou não.

E saiba que existem regras. Os produtos em promoção devem apresentar os dois preços: o atual, com desconto, e o inicial, que será o praticado nos 90 dias anteriores. Além disso, as trocas após a promoção são sempre obrigatórias quando o produto tem defeito, em loja, ou nos 14 dias após a compra, em sites, neste caso mesmo sem defeito. Caso tenha problemas, pode sempre pedir para escrever no livro de reclamações e recorrer à ASAE.

Leia também: Saiba quais são as melhores lojas de compras online

Mais dicas para aproveitar a Black Friday

Além de ir monitorizando os preços, há mais algumas dicas reter para tirar o melhor partido possível da Black Friday.

Faça uma lista de tudo o que precisa e estabeleça um orçamento. Fazer uma lista é essencial para não se deixar ceder às compras por impulso e gastar mais do que devia. A verdade é que, neste período, as lojas físicas e os sites são um apelo constante ao consumo. Assim, para que compre em consciência e o seu orçamento não derrape, é importante que cumpra a sua lista.

Em relação aos pagamentos, se fizer compras online, opte pelos cartões virtuais. Estes cartões são temporários e estão associados ao seu cartão original, mas têm um número, uma validade e um código de segurança diferente. Como têm um prazo de validade mais curto há uma menor probabilidade de vir a ser alvo de fraude e de acesso indevido à sua conta bancária.

Não se esqueça também de guardar sempre todos os comprovativos da compra. Podem ser necessários em caso de trocas ou se algo correr mal.

Portugueses esperam gastar até 200 euros na Black Friday

A maioria dos consumidores está disposta a gastar até 200 euros na Black Friday, que marca o arranque da época de compras dos dois últimos meses do ano. É a industry manager da Google Portugal, Joana Bastos dos Santos, que o revela ao Dinheiro Vivo, com base nos dados do Google Consumer Survey Portugal.

De acordo com o estudo da Google, este ano 44% dos consumidores portugueses pretende fazer compras nestes últimos dois meses. Ou seja, "quase um em cada dois" consumidores portugueses vai aproveitar a época de compras que se inicia com a Black Friday.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de