Posso carregar o carro elétrico numa tomada normal?

O carregamento de veículos elétricos em casa é a opção mais barata do mercado, mas será que pode ser feito numa tomada convencional?

A compra de um carro elétrico é cada vez mais a opção escolhida pelos portugueses. Seja pela crescente preocupação com o meio ambiente, a escalada de preços dos combustíveis fósseis ou até mesmo pelos incentivos do Governo.

Por norma, os veículos elétricos têm um preço mais elevado do que os ditos tradicionais (com motor de combustão interna). Porém, investir neste tipo de carros pode ser mais caro num momento inicial, mas depois em uso é recuperado o custo total de propriedade.

No que diz respeito ao carregamento, este pode ser feito na rede pública de carregamentos Mobi.e ou então em casa. Tudo vai depender do tipo de habitação em que reside. Se mora num apartamento, um dos primeiros aspetos que deve ter em atenção é, se tiver garagem associada à habitação, a tipologia do seu lugar de garagem e sobretudo se existem de tomadas que garantam o carregamento de carros elétricos.

Já se habita numa moradia, mesmo que não tenha lugar de garagem, deve ser mais fácil estacionar perto de casa e fazer a ligação a uma tomada elétrica.

O carregamento em casa é a opção mais barata do mercado, mas será que pode ser feito numa tomada convencional? Tecnicamente sim, porém existem alguns perigos e desvantagens.

Verifique as condições da instalação elétrica

Especialmente no que diz respeito a instalações antigas, é difícil prever como foi construída e que características tem a instalação elétrica e respetivo circuito que alimenta as tomadas. Ou seja, deve perceber se tem uma ligação à terra suficientemente forte. É que uma utilização sistemática para carregamentos com correntes elevadas e prolongadas pode causar danos estruturais no sistema elétrico da casa.

Cuidado com a possibilidade de sobreaquecimento

O carregamento de carros elétricos em tomadas ditas normais deve ser encarado apenas como uma forma de carregamento ocasional, numa situação de emergência. As tomadas domésticas não estão preparadas para carregamentos longos com correntes elevadas, o que acontece durante o carregamento de um veículo elétrico, havendo o risco de sobreaquecimento da instalação elétrica e dos seus vários componentes.

No entanto, já são muitos os carros elétricos que vêm com o chamado "carregador ocasional", um cabo para carregamentos com corrente alternada (usada nos edifícios domésticos) e que pode ser usado desde que cumpridos alguns requisitos de segurança - os de melhor qualidade não funcionam se este requisito não se verificar. Estes cabos vêm com uma tomada schuko (a tomada convencionada em Portugal, também denominada tomada tipo F), que, em alguns casos, tem um sensor de temperatura para evitar o sobreaquecimento

Velocidade de carregamento é mais baixa

Ao utilizar uma tomada convencional para carregar o seu automóvel, o carregamento vai ser consideravelmente mais lento. Isto significa que, por exemplo, para ter um carro com capacidade de 40 kWh precisará de 20 horas de carregamento. Assim, a rede pública de carregamentos Mobi.E não aconselha o carregamento de veículos elétricos em tomadas convencionais.

Os carregadores portáteis são seguros?

Existem alguns carregadores portáteis que elevam a potência de carregamento de 10A para até 32A (esta última obriga a ter uma tomada CEE e não uma schuko). Se estivermos a falar do carregamento de uma bateria de 40kWh, um cabo que permita o carregamento a 16A permite ao condutor ter a bateria do veículo completa em cerca de 12 horas. Estes carregadores podem ser, mais uma vez, bons para manter à mão em situações de emergência, no entanto é essencial certificar-se com uma visita técnica, por exemplo, que a tomada onde pretende fazer estes carregamentos vai suportar um carregamento com aquela amperagem durante tantas horas. A melhor solução para o carregamento doméstico é mesmo fazer uma instalação elétrica com um circuito dedicado e corretamente dimensionado para ser usado de forma continua a correntes mais elevadas no carregamento de veículos.

Não é fácil de utilizar

Por todas estas razões, este tipo de carregadores deve ser encarado como aquilo que é: um equipamento para ser utilizado em situações pontuais. Presume-se que estarão na mala do carro, junto a outros objetos usados também em situação de emergência, como o triângulo, por exemplo. Não é tão prático e cómodo de utilizar como um posto de carregamento público ou os postos de carregamento automóvel que podem ser instalados em casas e condomínios.

Wallbox: a solução para o carregamento em casa?

As wallboxes são carregadores que permitem fazer o carregamento doméstico de carros elétricos. Estas unidades de carregamento são instaladas na parede e permitem adaptar a energia da rede doméstica para disponibilizar uma maior quantidade de potência de carregamento para o veículo.

Mas as wallboxes não são todas iguais. Podem ter várias potências e ser comercializadas com ou sem cabo e/ou tomada. São várias as opções disponíveis, e algumas delas têm aplicações próprias que permitem gerir os carregamentos através de um smartphone. Desta forma, pode realizar um melhor controlo da bateria do seu veículo elétrico.

Carregar o automóvel elétrico em casa oferece a vantagem de efetuar carregamentos lentos - que preservam melhor a vida útil da bateria - e de carregamentos económicos, uma vez que se pode aproveitar o período mais favorável da tarifa, caso se tenha um contrato bi-horário.

Saiba ainda que para evitar surpresas desagradáveis, o ideal é carregar até aos 80% e não deixar ir abaixo dos 10%.

ACP dá 5 dicas para preservar a bateria do seu automóvel

1. Não carregue a bateria a 100%. O recomendado é manter a bateria nos 80% de capacidade.

2. Não deixe a bateria ficar sem carga já que, ao fazê-lo, acelera a degradação da carga máxima da bateria e reduz a sua vida útil.

3. Sempre que tiver oportunidade, carregue até aos 80% de carga, mesmo que tenha feito uma viagem curta, de forma a manter os componentes à temperatura ideal, pois as baterias perdem carga mais depressa quando fica mais frio.

4. Evite estações de carregamento rápido pois é uma prática desaconselhada pelas marcas. Se tiver de optar pelo carregamento rápido, nunca o faça mais do que 2 a 3 vezes por dia.

5. Proteja o seu veículo do sol e do frio, já que a exposição a temperaturas extremas acelera a degradação das baterias. O recomendado é carregar à noite ou numa garagem.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de