Saiba como entrar em 2021 com as finanças arrumadas

Tendo em conta o ano de 2020, calcula-se que também 2021 traga vários desafios, especialmente a nível económico. Estar preparado financeiramente é algo que o Doutor Finanças considera fundamental e, para o efeito, revelamos sete dicas da organização para uma carteira prevenida.

Por considerar 2020 "um ano completamente atípico", Rui Bairrada - CEO do Doutor Finanças -, afirma que estar-se preparado financeiramente é crucial. Neste contexto, o CEO admite ainda que "só quem tem um orçamento familiar e o cumprir, com a poupança sempre em primeiro lugar, ultrapassará as adversidades financeiras de forma mais tranquila".

A propósito das palavras de Rui Bairrada, o Doutor Finanças - empresa especializada em finanças pessoais e familiares - revela sete dicas para elaborar um orçamento e uma poupança mensal.

1 - Planeie o ano que vem

Através da análise do plano traçado para este ano e da realização de um balanço será possível entender o que correu (ou não) bem. Este exercício irá ajudar na altura de fazer um novo planeamento para 2021, uma vez que permitirá que se perceba o que deve ser ajustado ou mantido. Poderá fazê-lo em qualquer altura do ano, como por exemplo, este mês.

Deverá fazer o mesmo com a poupança - após analisar o ano anterior, é importante que se antecipe e comece a calcular quais as despesas e receitas para o próximo ano. Neste sentido, será relevante fazer um orçamento familiar onde contemple o máximo de informação possível, nomeadamente no que respeita às despesas fixas do próximo ano, como o IMI ou até mesmo o regresso às aulas.

O Doutor Finanças chama à atenção para que também estabeleça alguma margem para imprevistos que possam acontecer ao longo do ano.

2 - Poupe no crédito habitação

Uma vez que a Euribor continua em valores negativos e os spreads se encontram mais baixos - chegando a existir bancos a oferecer spreads mínimos abaixo dos 1% -, o crédito está mais barato. Assim sendo, quem tem crédito habitação há mais de dois anos, poderá estar a perder muito dinheiro.

A recomendação do Doutor Finanças é que, independentemente da altura, consulte o mercado, pois este poderá estar a oferecer melhores condições.

Uma outra forma de se poupar com o empréstimo da casa é transferir o crédito para outra entidade que ofereça melhores condições, principalmente nos outros produtos e serviços associados (como cartões e seguros).

3 - Analise os seguros

Tenha em atenção aos seguros e às coberturas. A mensalidade dos seguros de vida e multirriscos associados ao crédito habitação pode, por vezes, significar uma despesa mensais mais severa do que a do próprio empréstimo.

O Doutor Finanças menciona que "é muito comum contratar este tipo de seguros junto da entidade bancária onde se está a fazer o crédito" e que esta pode não ser a solução mais económica.

Posto isto, recomenda que vá em busca de soluções mais vantajosas, que poderão ser subscritas fora do próprio banco, nomeadamente com a ajuda de uma empresa intermediária - como é o caso do Doutor Finanças.

4 - Consolide os créditos num só

Para quem tem mais do que um crédito - seja para o computador, para o carro novo, ou até mesmo um crédito pessoal - é possível juntar todos os créditos num só, através da consolidação de créditos.

Esta solução permite que tenha uma única prestação de valor mais baixo e com melhores condições. Ao fazê-lo, ajudará a que haja uma folga orçamental maior no final do mês e uma poupança significativa no final do contrato de crédito.

"O valor da poupança vai sempre depender de caso para casa", relembra o Doutor Finanças.

5 - Reveja e renegocie serviços

Um exercício mental, fácil de se fazer, é: parar para pensar quanto dinheiro está a gastar em coisas que, na verdade, não utiliza.

Recorde-se, por exemplo, da prestação do ginásio ou até mesmo da subscrição daquela plataforma de streaming: dá real uso? A resposta a este tipo de questões será crucial no processo de eliminação de custos.

Num outro lado, existem os serviços de água, eletricidade, telecomunicações, etc., que são despesas às quais não se pode fugir - no entanto, poderá sempre negociá-las com os fornecedores, de maneira a que consiga reduzir encargos.

6 - Negoceie dívidas

Nos casos em que não lhe é possível fazer a consolidação dos créditos - por, por exemplo, já ter entrado em incumprimento anteriormente -, a solução poderá passar pela negociação dos contratos.

Mesmo não podendo intervir nestes casos, o Doutor Finanças disponibiliza um eBook, para ajudar as pessoas a ultrapassar a situação.

7 Não espere. Comece já hoje a poupança de 2021

Apesar da conjuntura atual, por muito que se fale em poupança e métodos para a fazer, na hora de agir, muitas pessoas deixam-na "para depois".

O Doutor Finanças realça que "quanto mais cedo se organizar o orçamento e se começar a poupar dinheiro, mais cedo de colhem os frutos desse esforço", deixando a sugestão da poupança automática, que garante uma poupança todos os meses.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de